sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Merkel na Turquia para debater aplicação de plano comum

A chanceler Angela Merkel desloca-se hoje a Ancara para acelerar a aplicação do plano de ação UE-Turquia de resposta à crise dos refugiados, quando 45 mil sírios estão concentrados junto à fronteira turca.

© Fabrizio Bensch / Reuters

Neste plano de ação, concluído no final do ano passado, a UE compromete-se a ajudar com três mil milhões de euros na assistência a 2,5 milhões de refugiados sírios atualmente em território turco, e a avaliar a eliminação dos vistos para os cidadãos turcos.

"Agora é preciso que o acordo UE-Turquia seja aplicado para ajudar a melhorar as condições de vidas dos refugiados na Turquia", disse Merkel na sexta-feira.

Em contrapartida, Ancara vai aumentar o controlo da fronteira marítima com a Grécia, uma das principais rotas dos refugiados que pretendem chegar à Europa, facilitar a educação dos migrantes menores de idade e a inserção laboral dos adultos.

O número de deslocados sírios junto à fronteira com a Turquia, que fugiram dos bombardeamentos em Aleppo, ascende já a 45 mil e está a aumentar, indicou a organização humanitária turco-muçulmana IHH.

A zona da fronteira de Oncupinar, que liga a cidade turca de Kilis à estrada que leva à cidade síria de Aleppo, continua encerrada.

No sábado, a chanceler alemã voltou a sublinhar a importância de melhorar a proteção das fronteiras exteriores da zona de livre circulação de pessoas, bens e mercadorias europeia, ameaçada pelo êxodo dos refugiados.

"Devemos proteger as nossas fronteiras exteriores porque queremos manter Schengen (...) um fundamento do nosso bem-estar" e que atualmente está "em perigo", afirmou.

Vários países europeus, incluindo a Alemanha, restabeleceram controlos temporários nas fronteiras para registar ou travar a entrada de refugiados nos seus territórios. Se esta política continuar poderá significar o fim do espaço Schengen, o que representará um revés político e económico para a UE, de acordo com observadores.

O porta-voz do executivo alemão, Steffen Seibert, afirmou que Merkel e o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, vão debater as medidas necessárias para passar de uma imigração ilegal e legal.

"É evidente que o tráfico de pessoas continua em frente às costas turcas. É evidente que há uma tarefa pendente", sublinhou.

Para que a aplicação do Plano de Ação UE-Turquia se torne uma realidade, a chanceler precisa, além da Turquia, do apoio dos parceiros europeus e que todos os Estados-membros da UE concordem aceitar "contingentes legais de refugiados".

A proposta alemã continua a obter respostas negativas em algumas capitais da UE, especialmente entre os países de leste.

Merkel considera também essencial, para tentar resolver a crise dos refugiados, chegar a uma "solução política" para a Síria, palco de uma guerra civil há cinco anos, que já fez mais de 260.000 mortos, um dos temas que vai debater com Davutoglu.

Vizinha da Síria e inimiga do regime do presidente Bashar al-Assad e dos curdos, a Turquia é também um dos alvos do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Lusa

  • Buscas e apreensões na esquadra da PSP na Brandoa

    País

    O Ministério Público de Sintra esteve a fazer buscas e apreensões, esta manhã, na esquadra da PSP da Brandoa, no concelho da Amadora. De acordo com a Procuradoria-Gera Distrital de Lisboa, em causa estão crimes de corrupção passiva e ativa e abuso de poder.

  • Portugueses divididos na recondução da procuradora-geral da República
    1:31
  • "Os castigos incluiam sovas frequentes e até estrangulamento"
    5:03
  • Teste ao sangue deteta oito tipos de cancro

    Mundo

    Um novo teste sanguíneo experimental permitiu detetar precocemente os oito cancros mais frequentes em 70 por cento dos casos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature feito por investigadores nos Estados Unidos.