sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Papa diz que Europa deve e pode mudar relativamente às migrações

O papa Francisco defendeu que a Europa "deve e pode mudar", considerando que o continente não é capaz de responder à atual crise migratória, numa entrevista publicada hoje pelo jornal italiano Correiere della Sera.

© Tony Gentile / Reuters

"A Europa deve e pode mudar e deve e pode reformar-se. Se não é capaz de ajudar economicamente os países de onde vêm os refugiados, então tem de pensar no problema de como enfrentar este grande desafio que é, em primeiro lugar, humanitário e não só", afirmou.

A esperança do papa é que um dia "a Europa sorria aos imigrantes".

Para Francisco, a Europa "tem de encarar este desafio com inteligência" porque "por detrás [dele] está o terrível e enorme problema do terrorismo".

O papa considera também que "se quebrou um sistema de educação: aquele que transmitia os valores de avós para netos e de pais para filhos e é preciso pensar no problema de como o reconstruir".

Francisco voltou a referir-se a uma "Europa idosa que já não é fértil nem vivaz", comparando-a a Sara, a mulher de Abraão idosa que não pode ter filhos mas milagrosamente consegue procriar aos 90 anos.

O papa já havia usado aquela expressão sobre a Europa no discurso que proferiu perante o Parlamento Europeu e contou agora, nesta entrevista, que depois da sua deslocação a Estrasburgo lhe ligou a chefe do Governo da Alemanha, Angela Merkel, "zangada" pela comparação da Europa com "uma mulher estéril".

"Perguntou-me se eu pensava mesmo que a Europa não podia ter filhos e eu respondi que sim, que a Europa ainda pode ter filhos porque tem raízes sólidas e profundas, porque teve e pode ter um papel fundamental (...) e porque os momentos mais escuros mostraram que tem sempre recursos", contou.

Na entrevista, Francisco revelou a sua admiração pelas "grandes personagens esquecidas" na Europa após a segunda guerra mundial, citando o alemão Adenauer, o francês Robert Schuman e o italiano Alice De Gasperi.

Por outro lado, considerou que "o Ocidente tem de fazer autocrítica" em relação à forma como lidou com a situação na Líbia "antes e depois da intervenção militar".

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.