sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Papa diz que Europa deve e pode mudar relativamente às migrações

O papa Francisco defendeu que a Europa "deve e pode mudar", considerando que o continente não é capaz de responder à atual crise migratória, numa entrevista publicada hoje pelo jornal italiano Correiere della Sera.

© Tony Gentile / Reuters

"A Europa deve e pode mudar e deve e pode reformar-se. Se não é capaz de ajudar economicamente os países de onde vêm os refugiados, então tem de pensar no problema de como enfrentar este grande desafio que é, em primeiro lugar, humanitário e não só", afirmou.

A esperança do papa é que um dia "a Europa sorria aos imigrantes".

Para Francisco, a Europa "tem de encarar este desafio com inteligência" porque "por detrás [dele] está o terrível e enorme problema do terrorismo".

O papa considera também que "se quebrou um sistema de educação: aquele que transmitia os valores de avós para netos e de pais para filhos e é preciso pensar no problema de como o reconstruir".

Francisco voltou a referir-se a uma "Europa idosa que já não é fértil nem vivaz", comparando-a a Sara, a mulher de Abraão idosa que não pode ter filhos mas milagrosamente consegue procriar aos 90 anos.

O papa já havia usado aquela expressão sobre a Europa no discurso que proferiu perante o Parlamento Europeu e contou agora, nesta entrevista, que depois da sua deslocação a Estrasburgo lhe ligou a chefe do Governo da Alemanha, Angela Merkel, "zangada" pela comparação da Europa com "uma mulher estéril".

"Perguntou-me se eu pensava mesmo que a Europa não podia ter filhos e eu respondi que sim, que a Europa ainda pode ter filhos porque tem raízes sólidas e profundas, porque teve e pode ter um papel fundamental (...) e porque os momentos mais escuros mostraram que tem sempre recursos", contou.

Na entrevista, Francisco revelou a sua admiração pelas "grandes personagens esquecidas" na Europa após a segunda guerra mundial, citando o alemão Adenauer, o francês Robert Schuman e o italiano Alice De Gasperi.

Por outro lado, considerou que "o Ocidente tem de fazer autocrítica" em relação à forma como lidou com a situação na Líbia "antes e depois da intervenção militar".

Lusa

  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.