sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Cerca de 80 mil refugiados chegaram à Europa desde início do ano

Cerca de 80 mil migrantes chegaram à Europa desde o início do ano através do Mediterrâneo e 400 morreram na travessia, informou hoje a ONU.

A Alemanha e a Suécia são os dois principais recetores de migrantes.

A Alemanha e a Suécia são os dois principais recetores de migrantes.

© Fabrizio Bensch / Reuters

"Apesar do mar revolto, do inverno rigoroso e dos sofrimentos que enfrentam ao chegar, cerca de 2 mil pessoas por dia continuam a arriscar as suas vidas e a dos seus filhos para tentarem chegar à Europa", segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Em seis semanas registaram-se mais chegadas que nos primeiros quatro meses de 2015 e 58% dos que chegaram este ano são mulheres e crianças. Um de cada três migrantes chegados em 2016 à Grécia foram crianças, quando em setembro de 2015 eram uma em cada dez pessoas.

Numa conferência de imprensa, Vicent Cochetel, do ACNUR, lamentou que o programa de repartição de refugiados entre os países da União Europeia não esteja a funcionar.

"O plano é relocalizar 160 mil refugiados no prazo de dois anos e neste momento não está a funcionar, mas não é por isto que devemos acabar com ele. Não temos um plano B", explicou.

Cochetel considerou que a questão é que o problema recai sobre uns quantos países aos quais os migrantes se dirigem, enquanto o resto do espaço comunitário praticamente não é afetado e não se sente suficientemente envolvido.

A Alemanha e a Suécia são os dois principais recetores de migrantes e a Itália, mas sobretudo a Grécia, são os locais de desembarque.

O responsável do ACNUR instou a que sejam oferecidas aos refugiados vias legais para chegarem à Europa, para que não continuem a colocar as vidas nas mãos de traficantes.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24