sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Santos Silva avisa que nenhum país europeu está imune a vaga de refugiados

O ministro dos Negócios Estrangeiros português avisou hoje que nenhum país europeu "está imune às consequências de um fluxo de refugiados" e afirmou que Portugal está disponível para receber "na ordem da dezena de milhar" de pessoas.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

ESTELA SILVA/ LUSA

"Nenhum país europeu está imune às consequências de um fluxo de refugiado ou de uma corrente migratória descontrolada, seja porque é um país de destino dos refugiados, como a Alemanha, Suécia ou Dinamarca, seja porque é um país de trânsito ou um país de origem, da primeira chegada à Europa", disse à Lusa o chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, no final do terceiro encontro do Grupo Informal do Mediterrâneo, que decorreu hoje em Limassol, no sul do Chipre.

Qualquer país pode não estar em nenhuma destas situações atualmente, mas pode vir a estar no futuro, acrescentou, sublinhando que qualquer Estado-membro da União Europeia (UE), enquanto tal, "tem a obrigação de contribuir para a resolução conjunta dos problemas que minam essa União".

Portugal defende que a questão dos refugiados deve ser tratada "à luz das obrigações do direito internacional" e é um "contribuinte líquido para essa solução", oferecendo-se para receber mais refugiados do que a quota atribuída, disse Santos Silva, que indicou que o país "está disponível para acolher na ordem da dezena de milhar".

Ao abrigo da recolocação comunitária, Portugal voluntariou-se para receber 4.486 pessoas: 4.295 ao abrigo do mecanismo de recolocação e 191 ao abrigo da reinstalação - ou seja, provenientes de países fora da UE.

Sobre a proposta da Áustria, que esta quinta-feira considerou que será melhor para Portugal "receber diretamente da Grécia" refugiados, nos chamados centros de registo ('hotspots'), na sequência da disponibilidade para receber mais pessoas feita pelo primeiro-ministro, António Costa, o chefe da diplomacia portuguesa disse que tal tem sido cumprido.

"Essa é uma obrigação de Portugal que temos cumprido. Dos meios até hoje em uso, a Portugal chegaram dezenas [de pessoas]. O número de refugiados que Portugal já acolheu vindos dos chamados 'hotspots', em Itália ou Grécia, não excede a casa das dezenas", referiu.

"Precisamos, no contexto europeu, de acolher centenas de milhares de pessoas que precisam da nossa ajuda", salientou.

Questionado sobre a incapacidade da Europa de responder à crise dos refugiados, Santos Silva considerou que a UE "não estava preparada para uma dimensão deste calibre, mas essa impreparação não abona a favor da União".

Os países que integram o Med Group (Portugal, Espanha, França, Itália, Malta, Grécia e Chipre), "têm em comum serem da fronteira exterior da UE" e estão "comprometidos com a necessidade de reforçar a defesa da fronteira externa da União e com a necessidade de combinar medidas em matéria de segurança com medidas de apoio humanitário", referiu o ministro, no final do encontro.

Para o governante, os países europeus têm de "tornar efetivo o que dizem nas palavras 'solidariedade europeia'".

Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.