sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

NATO diz que Damasco e Moscovo usam refugiados para desestabilizar Europa

O chefe das forças da NATO, o general Philip Breedlove, avisou hoje que Moscovo e Damasco utilizam deliberadamente a crise dos refugiados para desestabilizar a Europa.

© Chris Wattie / Reuters

"Juntos, a Rússia e o regime de Bashar al-Assad usam deliberadamente a migração para tentar dominar as estruturas europeias e acabar com a determinação europeia", afirmou o general na Comissão das Forças Armadas no Senado norte-americano.

O general norte-americano garantiu que Damasco utiliza barris de explosivos e Moscovo bombas não guiadas para empurrar os sírios para fora do país.

"Não vejo outra razão" para utilizar aqueles métodos, que "colocam em movimento os refugiados e garantem que se tornam um problema para outra pessoa", afirmou.

O general afirmou também que a Rússia é uma "ameaça existencial a longo prazo para os Estados Unidos" e para os seus "aliados e parceiros europeus".

Na Ucrânia, "continua a utilizar" todo o seu poder para desestabilizar o país, disse.

Os separatistas, apoiados por Moscovo, aumentaram os seus ataques recentemente, tendo sido registados 71 nas últimas 24 horas, acusou o general.

A administração do Presidente norte-americano, Barack Obama, reforçou a presença militar na Europa para dissuadir qualquer ataque contra Moscovo aos países da NATO, particularmente do Báltico, e pretende continuar a fazê-lo.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.