sicnot

Perfil

Crise Migratória na Europa

Bruxelas propõe 700 M€ para países da UE enfrentarem crise migratória

Bruxelas propõe 700 M€ para países da UE enfrentarem crise migratória

Um total de 700 milhões de euros deverá ser disponibilizado como ajuda de emergência humanitária dentro da UE, em particular para responder à crise dos refugiados, segundo uma proposta hoje apresentada pela Comissão Europeia. Mais de 20 mil migrantes estão retidos na Grécia. A pior situação continua a viver-se no norte, junto à fronteira com a Macedónia, onde milhares de refugiados esperam autorização para seguir caminho.

A fronteira entre a Macedónia e a Grécia situa-se na principal rota migratória dos Balcãs, que começa na Grécia e passa sucessivamente pela Macedónia, Sérvia e Croácia, seguindo pela Eslovénia até à Áustria.

Do lado grego, junto ao posto fronteiriço grego de Idomeni, as autoridades locais afirmam que há 7.000 migrantes em dois acampamentos montados por organizações humanitárias e mais umas 3.000 nos campos em volta.

Nos últimos dias, as organizações no terreno deram conta da falta de alimentos e de tendas e alertaram para os efeitos do tempo chuvoso na saúde dos migrantes, muitos dos quais viajam com crianças.

Um jornalista da agência France Presse relatou hoje que há filas de pessoas para a distribuição de comida.

A Comissão Europeia (CE) propôs hoje destinar 700 milhões de euros do orçamento comunitário a ajuda de emergência humanitária aos países da União Europeia (UE), especialmente os confrontados com a chegada em massa de migrantes.

A Grécia estima precisar de quase 500 milhões de euros para organizar o acolhimento de 100.000 refugiados e para gerir a situação na fronteira com a Macedónia.

Segundo números divulgados há uma semana pela Organização Internacional das Migrações (OIM), mais de 100.000 pessoas chegaram à Europa através do Mediterrâneo desde janeiro, a esmagadora maioria das quais à Grécia.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05