sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polícia Marítima resgata 2485 migrantes nos últimos cinco meses

A Polícia Marítima (PM) portuguesa, em missão na ilha grega de Lesbos, resgatou, em segurança, e transportou para terra, nos últimos cinco meses, 2485 migrantes e refugiados que corriam risco de vida, divulgou hoje a PM.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Giorgos Moutafis / Reuters

Integrada na missão da agência "Frontex Poseidon Rapid Intervention", a colaborar no controlo de fronteiras da União Europeia, a PM participou, de 01 de outubro de 2015 a 29 de fevereiro último, em 63 missões de busca e salvamento, tendo resgatado 2485 pessoas, das quais 637 eram bebés e crianças e, 519, mulheres.

Em igual período, a PM prestou 16 vezes apoio de primeiros socorros, recuperou cinco pessoas mortas e deteve cinco facilitadores. Contabilizou 921 horas de navegação, num total de 4998 milhas náuticas.

A missão da PM, visando o controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas, assumiu, de acordo com a PM, um "carácter de busca e salvamento e de ajuda humanitária aos migrantes e refugiados" que diariamente cruzam as águas do mar Egeu, realizando a travessia entre a Turquia e a ilha de Lesbos.

"A equipa da PM encontra, na maioria das vezes, cenários de grande stress, botes e embarcações sobrelotadas sem condições de navegabilidade e em perigo iminente de naufrágio", salienta a PM no balanço realizado.

Segundo a PM portuguesa, as pessoas resgatadas procuram desesperadamente chegar à Grécia, mesmo sem quaisquer condições de segurança, muitas delas sem coletes salva-vidas, totalmente molhadas e correndo sérios riscos de entrada em hipotermia.

"A essas pessoas são distriuídas mantas térmicas para combater os efeitos da exposição ao frio. Os casos mais graves são dos bebés e crianças cuja resistência ao frio é muito menor e a quem a equipa da PM dá especial atenção", adianta a Polícia Marítima Nacional.

Aos migrantes e refugiados, a PM tem fornecido, sempre que necessário, águas, bolachas e chocolates.

A PM diz que vai manter o seu apoio à guarda-costeira grega, com o objetivo de cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.