sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Áustria pede à Alemanha que defina número máximo de refugiados a acolher

O chanceler austríaco Werner Faymann pediu hoje à Alemanha que defina claramente o número máximo de refugiados que está disposta a acolher, para evitar a entrada descontrolada de migrantes através da rota dos Balcãs.

Vadim Ghirda

"A Alemanha deve fixar rapidamente um número limite de refugiados que pode acolher, vindos da Síria e da Turquia", declarou o chanceler social-democrata, em entrevista ao jornal diário Kurier, e citado pela France Press.

Na entrevista, Faymann sugeriu que a Alemanha determine um limite máximo de 400 mil refugiados, calculado em relação ao estabelecido pela Áustria (com uma população 10 vezes menor que a Alemanha) que anunciou que não aceitará mais de 37.500 refugiados este ano.

O político austríaco disse acreditar que Berlim anuncie brevemente uma medida idêntica, pois, caso contrário, cada refugiado pensará que pode ir pela rota dos Balcãs até à Áustria e logo a seguir "dar o salto" para a Alemanha, explicou.

Fayman insistiu que o "deixar passar" tem que acabar e ser substituído por um mecanismo em que os refugiados sejam acolhidos na Turquia, Líbano e Jordânia e atendidos aí pelas equipas das Nações Unidas, com a ajuda dos países da União Europeia (UE).

A Alemanha é o destino privilegiado dos migrantes que fogem das zonas de conflito do Médio-Oriente e que percorrem uma rota que passa pela Turquia e pela Grécia.

Segundo o chanceler austríaco, tem de haver uma entrada legal na UE, baseada num limite máximo, de maneira a evitar a entrada "caótica e descoordenada" de migrantes.

Fayman defendeu que se os 28 países da União Europeia seguirem o exemplo austríaco e fixarem um plafond proporcional à sua população a UE poderia receber cerca de dois milhões de refugiados.

Alemanha e Áustria anunciaram em setembro de 2015 uma política de portas abertas face aos conflitos no Médio Oriente, designadamente na Síria, tendo o chanceler recordado que essa política foi "temporária" e que agora há que "voltar à normalidade".

Faymann criticou países da UE que confiaram que Áustria, Alemanha e Suécia resolveriam sozinhos a crise dos refugiados, pelo que adotaram uma posição não solidária.

O chefe do governo austríaco alertou que compete à UE celebrar acordos de colaboração com a Turquia, para que este país combata o tráfico de pessoas e o fluxo incontrolado de migrantes.

Segundo o diário austríaco Der Standard, a ideia é fechar a rota dos Balcãs, ajudar a Grécia a criar centros de acolhimento para 50 mil refugiados e expulsar, de regresso à Turquia, todos os migrantes que não preencham as condições para pedir asilo.

Nas últimas semanas, a Áustria e os restantes países da rota dos Balcãs, com exceção da Grécia, endureceram os controlos fronteiriços e só permitiram a passagem diária de cerca de 580 refugiados, verificando se são oriundos de zonas de conflito ou se são imigrantes económicos.

A Comissão Europeia criticou a introdução pela Áustria de uma quota máxima para a entrada de refugiados, mas Faymann assegura que o seu governo manterá esta política, embora reconhecendo que a questão causará tensões com Bruxelas.

Lusa

  • Sismo abala centro de Itália

    Mundo

    Um sismo abalou esta manhã o centro de Itália, incluindo a capital, Roma, e outras localidades atingidas por uma série de tremores o ano passado. De acordo com a Reuters, o sismo teve uma magnitude de 5.7.

    Em desenvolvimento

  • Bebé nasce na Ucrânia com ADN de três pais

    Mundo

    Nasceu a 5 de janeiro, na Ucrânia, uma menina filha de um casal infértil graças à ajuda de uma nova técnica de fertilização in vitro, que conta com a colaboração de uma terceira pessoa. De acordo com o britânico The Times, os médicos utilizaram pela primeira vez um método denominado transferência pronuclear. Esta não é, contudo, a primeira vez que nasce um bebé com ADN de três progenitores.

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".