sicnot

Perfil

Crise Migratória na Europa

Portugal recebe grupo de 68 refugiados vindos da Grécia

Portugal recebe grupo de 68 refugiados vindos da Grécia

Portugal recebe na próxima madrugada 68 refugiados que já têm colocação atribuída em vários locais do território nacional. O voo chega a Lisboa com origem na Grécia, trazendo na maioria sirios e iraquianos.

O voo foi especialmente fretado pelo Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO),com chegada prevista para as 05:25, no aeroporto de Figo Maduro, em Lisboa, e ocorrerá "simbolicamente" no mesmo dia do Conselho União Europeia-Turquia.

"É esta presença de pleno direito na Europa que queremos realçar no dia em que se realiza esta cimeira decisiva para discutir no quadro europeu o drama dos refugiados", apontou Eduardo Cabrita.

Lembrando que "o primeiro-ministro manifestou recentemente a disponibilidade para acolher cerca de 10 mil refugiados", o ministro-Adjunto referiu que "Portugal tem estado à altura do compromisso europeu" em matéria e acolhimento de refugiados.

Realçou igualmente o facto de o plano de acolhimento em Portugal pretender dar "planos de vida" a estas pessoas, designadamente com a integração em universidades, institutos politécnicos ou escolas profissionais ou em atividades profissionais.

O ministro adiantou que além destas 68 pessoas, Portugal também deverá receber, já na próxima semana e em voos comerciais normais que partirão da Grécia e de Itália, mais 50 refugiados das várias nacionalidades referidas como prioritárias no programa europeu de acolhimento.

O grupo que chega na madrugada de segunda-feira é essencialmente constituído por sírios e iraquianos, havendo várias famílias (algumas com crianças) e pessoas isoladas.

Questionado sobre as questões de segurança, Eduardo Cabrita referiu que esse "controlo é previamente realizado" em consonância com os países de onde os refugiados partem e com as autoridades portuguesas.

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.