sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Argélia repatria mais de 1.500 migrantes nos próximos dias

As autoridades argelinas vão repatriar nos próximos dias mais de 1.500 migrantes de várias nacionalidades africanas, informou hoje a agência estatal APS.

(arquivo)

(arquivo)

reuters

Segundo a APS, saiu hoje da cidade meridional de Uarfla o "último contingente", composto por 796 migrantes, rumo ao centro de acolhimento de refugiados na cidade de Tamanraset, na fronteira com o Mali.

Os migrantes são provenientes do Níger, Mali, Senegal, Camarões, Gâmbia, Guiné, Libéria e Burkina-Faso e foram transportados para a fronteira por 21 autocarros.

Entre quinta-feira e sábado, dois grupos de cerca de 1.000 pessoas foram transportados de Uargla para Tamanraset.

A região do Saara argelino, fronteira com quatro países com grande instabilidade e pobreza, é trânsito para milhares de subsaarianos que tentam chegar ao continente europeu.

Durante o ano de 2015, cerca de 413 pessoas do Níger foram repatriados pelo Governo argelino, no âmbito de um programa de cooperação bilateral entre a Argélia e aquele país.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.