sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Argélia repatria mais de 1.500 migrantes nos próximos dias

As autoridades argelinas vão repatriar nos próximos dias mais de 1.500 migrantes de várias nacionalidades africanas, informou hoje a agência estatal APS.

(arquivo)

(arquivo)

reuters

Segundo a APS, saiu hoje da cidade meridional de Uarfla o "último contingente", composto por 796 migrantes, rumo ao centro de acolhimento de refugiados na cidade de Tamanraset, na fronteira com o Mali.

Os migrantes são provenientes do Níger, Mali, Senegal, Camarões, Gâmbia, Guiné, Libéria e Burkina-Faso e foram transportados para a fronteira por 21 autocarros.

Entre quinta-feira e sábado, dois grupos de cerca de 1.000 pessoas foram transportados de Uargla para Tamanraset.

A região do Saara argelino, fronteira com quatro países com grande instabilidade e pobreza, é trânsito para milhares de subsaarianos que tentam chegar ao continente europeu.

Durante o ano de 2015, cerca de 413 pessoas do Níger foram repatriados pelo Governo argelino, no âmbito de um programa de cooperação bilateral entre a Argélia e aquele país.

Lusa

  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas. 

  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".