sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Quase 900 refugiados foram recolocados, afirma Comissão Europeia

A Comissão Europeia anunciou hoje que foram recolocados 884 refugiados, a partir da Grécia e da Itália, ao abrigo do mecanismo europeu de recolocação, segundo o qual 160 mil pessoas devem ser acolhidas no espaço comunitário durante dois anos.

© Alexandros Avramidis / Reuter

No balanço divulgado hoje, Bruxelas indicou que Portugal recebeu 149 pessoas, 45 vindos de Itália e 84 provenientes dos registos efetuados na Grécia.

Os mesmos registos indicam a disponibilidade imediata das autoridades portuguesas em receberem 1.642 candidatos a proteção internacional, num compromisso de cerca de 4.500.

No total, Lisboa disponibilizou-se para receber cerca de 10 mil pessoas, depois de contactos feitos pelo Governo com alguns dos países sob maior pressão com a crise migratória: Alemanha, Áustria, Suécia, Grécia e Itália.

A nível dos repatriamentos, o executivo comunitário registou, desde setembro, 800 regressos de migrantes sem direito a asilo no espaço comunitário.

Lusa

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.