sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Eslovénia vai barrar entradas de migrantes a partir da meia-noite

A Eslovénia anunciou hoje que vai recusar, a partir da meia-noite de hoje, a entrada de migrantes em todo o seu território, abrindo exceção para situações de emergência "humanitária", numa tentativa de travar a rota migratória nos Balcãs.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Laszlo Balogh / Reuters

A entrada na Eslovénia vai, a partir de agora, ser concedida a "estrangeiros que cumpram os requisitos para entrar no país", aqueles que desejam pedir asilo e a migrantes selecionados "caso a caso por razões humanitárias e de acordo com as regras do espaço Schengen", informou o Ministério do Interior esloveno, em comunicado.

A Eslovénia será o primeiro país do Espaço Schengen a aplicar esta medida, depois de o primeiro-ministro, Miro Cerar, ter anunciado esta manhã que vai aplicar estritamente as normas europeias, admitindo um máximo de 50 refugiados por mês, que acreditem que têm o direito a solicitar asilo por virem de zonas de guerra.

No final da cimeira de Bruxelas sobre a crise dos refugiados, o chefe do executivo esloveno recordou que, segundo as quotas estabelecidas pela União Europeia, a Eslovénia deverá receber 567 refugiados por ano.

A Macedónia, a Sérvia, a Croácia e a Eslovénia integram a denominada rota dos Balcãs usada pelos refugiados do Médio Oriente para chegar à Áustria, Alemanha e outros países ricos da União Europeia.

Lusa

  • Atrás das Câmaras em Mirandela
    2:36

    Atrás das Câmaras

    A SIC está a percorrer o pais para ouvir as historias dos municípios e dos eleitores. Até às autárquicas, o programa opinião pública dá lugar ao Atrás das Câmaras, que hoje está em Mirandela, no distrito de Bragança, como conta a repórter Catarina Lázaro.

    Hoje na SIC e SIC Notícias

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • "Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo"
    0:39

    Orçamento do Estado 2018

    O deputado e economista do PS Paulo Trigo Pereira defende que o desagravamento fiscal que o Governo quer pôr em marcha é "moderado". Em entrevista ao Público e à Renascença, o socialista diz que é preciso realismo e que é uma "alquimia" mexer ao mesmo tempo nas carreiras, pensões e rendimentos dos trabalhadores.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15