sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Eslovénia vai barrar entradas de migrantes a partir da meia-noite

A Eslovénia anunciou hoje que vai recusar, a partir da meia-noite de hoje, a entrada de migrantes em todo o seu território, abrindo exceção para situações de emergência "humanitária", numa tentativa de travar a rota migratória nos Balcãs.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Laszlo Balogh / Reuters

A entrada na Eslovénia vai, a partir de agora, ser concedida a "estrangeiros que cumpram os requisitos para entrar no país", aqueles que desejam pedir asilo e a migrantes selecionados "caso a caso por razões humanitárias e de acordo com as regras do espaço Schengen", informou o Ministério do Interior esloveno, em comunicado.

A Eslovénia será o primeiro país do Espaço Schengen a aplicar esta medida, depois de o primeiro-ministro, Miro Cerar, ter anunciado esta manhã que vai aplicar estritamente as normas europeias, admitindo um máximo de 50 refugiados por mês, que acreditem que têm o direito a solicitar asilo por virem de zonas de guerra.

No final da cimeira de Bruxelas sobre a crise dos refugiados, o chefe do executivo esloveno recordou que, segundo as quotas estabelecidas pela União Europeia, a Eslovénia deverá receber 567 refugiados por ano.

A Macedónia, a Sérvia, a Croácia e a Eslovénia integram a denominada rota dos Balcãs usada pelos refugiados do Médio Oriente para chegar à Áustria, Alemanha e outros países ricos da União Europeia.

Lusa

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.