sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Reino Unido deteve mais de três mil migrantes no verão passado

Cerca de 40 migrantes foram detidos por dia no verão passado, após atravessarem o canal de França para o Reino Unido, segundo um relatório oficial divulgado hoje, em que se critica a "resposta inadequada" das autoridades britânicas.

© Michalis Karagiannis / Reuter

No relatório da autoridade de inspeção das prisões britânicas (HMIP, sigla em inglês), que inclui dados sobre chegadas habitualmente não divulgados, mostra-se que 3.603 migrantes foram detidos em julho, agosto e setembro no auge da crise migratória no canal da Mancha.

Os migrantes chegaram ao Reino Unido, a partir de Calais (norte de França), escondidos em veículos que fizeram a travessia de ferry, ou em comboios de mercadorias que usam o túnel sob a Mancha.

A maioria ficou detida numa instalação no porto de Dover e os restantes num estabelecimento em Folkestone, nos arredores.

"Não há dúvida de que o aumento na migração foi inicialmente demasiado para as infraestruturas existentes e uma resposta de emergência foi necessária", de acordo com o inspetor-chefe Peter Clarke.

"Foi inaceitável não terem sido criados mecanismos para tratar rapidamente dos processos dos detidos, eficaz e decentemente, ao mesmo tempo que se garantia que os mais vulneráveis, como as crianças, estavam seguros e que as necessidades básicas dos detidos, de comida, repouso e vestuário eram satisfeitas".

No relatório não se indica o número de migrantes que apresentaram pedidos de asilo ou que foram devolvidos.

O ministro da Imigração, James Brokenshire, reconheceu que a utilização de um estabelecimento sobrelotado "era inaceitável" e insistiu que não será usado da mesma fonte no futuro.

"Desde que se realizou esta inspeção, melhorámos as instalações no porto de Dover e continuamos a trabalhar nos planos para abrir um novo centro para processar as chegadas irregulares aos portos de Kent", afirmou.

A imigração é uma das questões dominantes no Reino Unido, que se prepara para um referendo sobre a continuação do país na UE.

O gabinete do primeiro-ministro britânico, David Cameron, alertou hoje que uma saída da UE (Brexit) poderia implicar a criação de campos para acolher migrantes na costa britânica se os controlos fronteiriços do Reino Unido fossem retirados de Calais.

"Se o Reino Unido sair da UE não há qualquer garantia de que aqueles controlos permaneçam no local", disse o porta-voz de Cameron à imprensa no mês passado.

"Se aqueles controlos não ficarem no local, não existirá nada para impedir milhares de pessoas de atravessar o canal durante a noite, chegar a Kent (sudeste de Inglaterra) e pedir asilo", acrescentou.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.