sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Reino Unido deteve mais de três mil migrantes no verão passado

Cerca de 40 migrantes foram detidos por dia no verão passado, após atravessarem o canal de França para o Reino Unido, segundo um relatório oficial divulgado hoje, em que se critica a "resposta inadequada" das autoridades britânicas.

© Michalis Karagiannis / Reuter

No relatório da autoridade de inspeção das prisões britânicas (HMIP, sigla em inglês), que inclui dados sobre chegadas habitualmente não divulgados, mostra-se que 3.603 migrantes foram detidos em julho, agosto e setembro no auge da crise migratória no canal da Mancha.

Os migrantes chegaram ao Reino Unido, a partir de Calais (norte de França), escondidos em veículos que fizeram a travessia de ferry, ou em comboios de mercadorias que usam o túnel sob a Mancha.

A maioria ficou detida numa instalação no porto de Dover e os restantes num estabelecimento em Folkestone, nos arredores.

"Não há dúvida de que o aumento na migração foi inicialmente demasiado para as infraestruturas existentes e uma resposta de emergência foi necessária", de acordo com o inspetor-chefe Peter Clarke.

"Foi inaceitável não terem sido criados mecanismos para tratar rapidamente dos processos dos detidos, eficaz e decentemente, ao mesmo tempo que se garantia que os mais vulneráveis, como as crianças, estavam seguros e que as necessidades básicas dos detidos, de comida, repouso e vestuário eram satisfeitas".

No relatório não se indica o número de migrantes que apresentaram pedidos de asilo ou que foram devolvidos.

O ministro da Imigração, James Brokenshire, reconheceu que a utilização de um estabelecimento sobrelotado "era inaceitável" e insistiu que não será usado da mesma fonte no futuro.

"Desde que se realizou esta inspeção, melhorámos as instalações no porto de Dover e continuamos a trabalhar nos planos para abrir um novo centro para processar as chegadas irregulares aos portos de Kent", afirmou.

A imigração é uma das questões dominantes no Reino Unido, que se prepara para um referendo sobre a continuação do país na UE.

O gabinete do primeiro-ministro britânico, David Cameron, alertou hoje que uma saída da UE (Brexit) poderia implicar a criação de campos para acolher migrantes na costa britânica se os controlos fronteiriços do Reino Unido fossem retirados de Calais.

"Se o Reino Unido sair da UE não há qualquer garantia de que aqueles controlos permaneçam no local", disse o porta-voz de Cameron à imprensa no mês passado.

"Se aqueles controlos não ficarem no local, não existirá nada para impedir milhares de pessoas de atravessar o canal durante a noite, chegar a Kent (sudeste de Inglaterra) e pedir asilo", acrescentou.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida