sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Eurodeputados criticam acordo entre UE e Turquia

Os líderes dos grupos políticos do Parlamento Europeu (PE) manifestarem-se hoje contra um acordo entre os 28 e a Turquia que "dê cheques em branco" e viole o direito ao asilo.

A Turquia já acolhe cerca de 2,7 milhões de refugiados sírios.

A Turquia já acolhe cerca de 2,7 milhões de refugiados sírios.

© Osman Orsal / Reuters

Em debate parlamentar com o Conselho e a Comissão Europeia, a decorrer hoje em Estrasburgo (França), o liberal Guy Verhofstadt assumiu estar ao lado, pela primeira vez, dos conservadores liderados por Syed Kamall.

"Estamos a dar as chaves para os portões de entrada da União Europeia (UE) à Turquia", argumentou Verhofstadt, criticando que se bloqueiem entradas de "afegãos a fugirem do (grupo radical) Daesh ou de um curdo a sair do Iraque", o que "deve ser proibido pela convenção de Genebra".

Kamall tinha afirmado que os inimigos "não são os refugiados, nem os migrantes ilegais, mas os traficantes que utilizam os inocentes e os desesperados" e as "muitas reservas" sobre o processo para o acordo entre a UE e a Turquia.

"Há um ou dois líderes a negociar sem consultar os outros países e tenho dificuldade em ver se este acordo é legal ou prático", afirmou o conservador, questionando sobre se, numa posição de "desespero", a Europa "vai pôr fim às suas regras".

Na intervenção inicial, a representante da presidência holandesa da UE, Jeanine Hennis-Plasschaert, indicou serem necessárias "mais conversações antes do conselho de dia 17 e 18", o que será feito pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

"É demasiado cedo para declarar que conseguimos um êxito", acrescentou a ministra da Defesa da Holanda, reafirmando a prioridade de reforço das fronteiras externas da UE e que terminaram os fluxos de migrantes na rota dos Balcãs Ocidentais.

Por seu lado, o vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Euro, Valdis Dombrovskis, resumiu as questões relativas ao Semestre Europeu e sobre a reunião com a Turquia comentou que "os dois lados concordaram sobre os passos necessários".

Em cima da mesa estão por finalizar acordos sobre readmissão - com Ancara a comprometer-se que, por cada regresso de um migrante irregular, será recolocado um refugiado sírio -, sobre isenção de vistos e abertura de novos capítulos da adesão turca à UE.

"Para os três mil milhões de euros talvez seja necessário um suplemento depois de 2018", acrescentou o responsável do executivo comunitário, referindo-se ao apoio europeu à Turquia no âmbito da crise dos refugiados.

Falando pelo Partido Popular Europeu, Manfred Weber, recusou que a União Europeia (UE) "passe um cheque em branco", argumentando que as verbas não devem ser atribuídas diretamente ao Governo turco.

"Deve haver uma parceria e não uma dependência da Turquia", resumiu o líder do PPE, que sublinhou o seu ceticismo sobre a plena adesão da Turquia, devido, por exemplo, aos "inaceitáveis ataques a jornais".

Weber aproveitou para indicar que os "países com um Governo do PPE (família política do PSD e do CDS) têm menos desemprego e estão a reduzir a dívida", pelo que se "deve seguir esta via em plena consciência".

O líder dos socialistas, Gianni Pittella, indicou a necessidade de um acordo "desde que se acabe com a ambiguidade", até porque "homens e mulheres não são mercadorias" e "não pode ser um toma lá, dá cá, com os refugiados".

"Não devemos confundir a negociação sobre refugiados e a adesão", indicou o socialista, fazendo eco da posição de a Europa "não passar um cheque em branco" a Ancara.

A presidente da Esquerda Unida, Gabi Zimmer, notou que a proposta "lembra um negociar de pessoas em relação à sua origem", o que "faz pensar em violação de direitos".

"Nunca estivemos tão longe de uma solução europeia", concluiu.

Pelos Verdes, Philippe Lamberts disse que o "caminho não pode estar reservado a sírios" e que "todos têm direito a uma avaliação individual do seu pedido de asilo".

Lusa

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartindo de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • "Avançámos em primeiro lugar com incentivos às empresas"
    18:07

    Economia

    O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar do que pode ser feito depois da tragédia dos incêndios que assolou o país na última semana. O governante diz que já avançou com incentivos às empresas afetadas e que neste momento o mais importante é preservar a segurança das pessoas.

    Entrevista SIC Notícias

  • Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado debates com as bases do PSD
    0:40

    País

    Pedro Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado a realização de debates com as bases do partido. Fernando Negrão, responsável pela candidatura de Santana Lopes à presidência do PSD, já tinha advertido em comunicado que a posição de Rui Rio poderia também inviabilizar quaisquer outros frente a frente, incluindo os organizados pela comunicação social. Santana Lopes está na Guarda, no primeiro jantar com apoiantes desde que anunciou a candidatura.

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Gémeas siamesas correm risco de vida se não saírem de Gaza

    Mundo

    Duas irmãs gémeas siamesas correm risco de vida enquanto permanecerem em Gaza. Quem diz é o médico Alam Abu Hamba, do Hospital de Shifra, que garante que "situação complicada" das meninas não pode ser tratada por médicos no território costeiro, atulamente bloqueado pelo Egito e por Israel. Abu Hamba espera que o casal de gémeas possa ser transferido para fora da separação.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC