sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Grécia anuncia mais oito centros de acolhimento para refugiados

A Grécia vai abrir oito novos centros de acolhimento temporário para refugiados após o encerramento efetivo da fronteira com a Macedónia e da rota dos Balcãs, com 42.000 pessoas encurraladas no país.

O porta-voz da coordenadora do Governo para a gestão de refugiados, Yorgos Kyritsis, precisou à agência noticiosa Efe que quatro das oito instalações -- todas complexos militares, um desativado e os restantes em funcionamento -- vão começar a funcionar hoje na região da Tessália, Grécia central.

"Dependendo das necessidades, as Forças Armadas disponibilizarão tendas de campanha, pelo que não podemos fornecer uma estimativa da sua capacidade".

Para além dos quartéis, foram ainda alugados dois hotéis em Termópilas (Grécia central) "com um deles pronto ainda hoje".

O primeiro centro de acolhimento na região do Épiro (nordeste), para onde serão transferidos 150 refugiados, também entrou hoje em funcionamento.

Um responsável municipal declarou à agência noticiosa Ana-Mpa que os habitantes da região do Épiro "têm muita sensibilidade sobre a questão dos refugiados porque uma boa parte dos seus antepassados imigraram para aqui vindos da região da Capadócia", na atual Turquia.

O porta-voz governamental confirmou que hoje vão ser colocados nestes novos centros perto de 1.000 pessoas, até agora instaladas no porto ateniense do Pireu, onde segundo os números oficias se encontram 3.300 migrantes.

Nas ilhas gregas encontram-se ainda 9.400 pessoas que aguardam transferência para os portos do Pireu e Kavala (norte). Nas últimas 24 horas foram registadas 2.373 pessoas que alcançaram as costas gregas provenientes da Turquia.

Na região fronteiriça de Idomeni, junto à fronteira com a Macedónia, concentram-se cerca de 20.000 pessoas em condições muito deficitárias, e com o mau tempo a dificultar as tarefas das diversas ONG no terreno.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.