sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Turquia não vai readmitir migrantes que já estão na Grécia

A Turquia não readmitirá os migrantes que já se encontram nas ilhas gregas no âmbito do projeto de acordo discutido na segunda-feira com os dirigentes da União Europeia (UE), declarou hoje o ministro dos Assuntos Europeus turco, Volkan Bozkir.

Alguns refugiados ficam a dormir no Aeroporto Internacional de Atenas, na Grécia.

Alguns refugiados ficam a dormir no Aeroporto Internacional de Atenas, na Grécia.

© Michalis Karagiannis / Reuter

Numa entrevista à agência pró-governamental Anatólia, Bozkir disse que a Turquia readmitirá "dezenas de milhares" de pessoas, "não centenas de milhares ou milhões", e estas "não incluirão os migrantes que estão atualmente nas ilhas gregas".

Discutido na segunda-feira numa cimeira em Bruxelas e visando dar uma resposta ao afluxo caótico de migrantes à Europa, o projeto de acordo prevê a readmissão pela Turquia de todos os migrantes que cheguem clandestinamente à Grécia.

Em troca, os europeus comprometer-se-iam a aceitar um requerente de asilo sírio por cada sírio reenviado para a Turquia.

Além disso, Ancara exigiu mais três mil milhões de euros de ajuda até 2018, uma isenção de vistos para os seus cidadãos que queiram viajar para a UE a partir do fim de junho e a rápida abertura de negociações relativas a cinco novos dossiers da adesão à União.

O acordo deve ser concluído até à próxima cimeira dos 28, a 17 e 18 de março.

A Turquia, que abriga no seu território 2,7 milhões de sírios forçados a fugirem do seu país devido à guerra, é o principal ponto de partida dos migrantes que querem chegar à Europa e os naufrágios no mar Egeu que a separa da Grécia são frequentes.

Na quarta-feira à noite, pelo menos cinco migrantes, entre os quais um bebé, morreram num naufrágio ao lado da costa noroeste da Turquia.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.