sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Duas meninas morrem no mar Egeu no 1º dia do acordo UE-Turquia

A guarda costeira grega anunciou hoje a recuperação dos cadáveres de duas meninas, as primeiras vítimas mortais no mar Egeu após a entrada em vigor do acordo que prevê o regresso à Turquia dos refugiados que cheguem à Grécia.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

As meninas, de um e de dois anos, afogaram-se após caírem, em circunstâncias desconhecidas, de um barco de borracha, no qual viajavam entre 35 e 40 pessoas, ao largo do ilhéu de Ro, não longe da ilha de Rodes, revelou a guarda costeira grega.

Por outro lado, dois refugiados sírios sucumbiram a ataques cardíacos à chegada em canoa, durante a madrugada, à ilha grega de Lesbos, no nordeste do Egeu, indicou à AFP Boris Cheshirkov, representante na ilha do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados.

Desde a meia-noite de hoje que a fronteira marítima está fechada aos migrantes ilegais que chegam à Grécia desde a Turquia, devido a um acordo polémico entre a União Europeia (UE) e a Turquia.

Nas últimas 24 horas e até às 08:00 locais, (06:00 em Lisboa) de hoje chegaram 875 refugiados às ilhas gregas, segundo dados publicados hoje pelo centro de gestão da crise do Governo, que não distingue entre os que chegaram antes da meia-noite e depois da meia-noite, quando entrou em vigor o acordo.

O governo grego começou sábado à tarde a retirar todos os migrantes e refugiados das ilhas para o continente, a fim de limpar os centros de registo, mas nas ilhas, esta manhã, estavam ainda 7.316 pessoas.

A partir de hoje, esses centros nas ilhas de Lesbos, Chios, Kos, Samos e Leros tornam-se o destino final da viagem, onde os migrantes e os refugiados terão de optar por pedir asilo à Grécia ou serem devolvidos para a Turquia.

Cada caso será analisado individualmente, de modo que as primeiras devoluções apenas deverão ocorrer dentro de duas semanas.

As autoridades gregas reconheceram a impossibilidade de aplicação imediata dos termos do acordo, deixando em aberto qual o destino que será dado aos migrantes que chegarem hoje.

"Na verdade, precisamos de estruturas, a equipa está pronta e é preciso um pouco mais de 24 horas", admitiu sábado à AFP Giorgos Kyritsis, porta-voz do órgão de coordenação do socorro.

As cerca de 50.000 pessoas que estão retidas na Grécia devem optar por se inscrever no programa de deslocalização para outros países da UE, que continua a ser voluntária e que, até agora, produziu poucos resultados.

Após a assinatura do acordo UE -Turquia, o Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que as deslocalizações de Grécia devem atingir as 6.000 pessoas por mês e apelou aos membros para demonstrarem solidariedade.

Em toda a Grécia existe um total de 48.141 migrantes e refugiados, com maior aglomeração no campo fronteiriço de Idomeni, com 12.000 pessoas.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59