sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Fluxo em direção à Grécia não diminuiu após acordo UE-Turquia

Cerca de 1.662 migrantes chegaram à Grécia desde a entrada em vigor no domingo do acordo UE-Turquia e que deveria travar as chegadas às ilhas gregas provenientes da Turquia, indicou hoje um organismo oficial helénico.

(arquivo/Reuters)

(arquivo/Reuters)

© Ognen Teofilovski / Reuters

Segundo o Gabinete de Coordenação da Política Migratória na Grécia (SOMP), as chegadas concentraram-se nas ilhas de Chios (830) e Lesbos (698), todas próximas das costas turcas no nordeste do Egeu.

O prosseguimento deste fluxo migratório "suscita objetivamente um problema e coloca interrogações sobre as intenções de todas as partes envolvidas", e quando o acordo entre a União Europeia (UE) e a Turquia -- anunciado na sexta-feira em Bruxelas e em vigor desde domingo --, prevê um esforço reforçado da Turquia para bloquear as partidas dos imigrantes e refugiados a partir das suas costas, assinalou Giorgos Kyritsis, porta-voz do SOMP, citado pela agência noticiosa France-Presse.

Em paralelo, a guarda costeira turca anunciou ter "socorrido" no mar, entre sábado e a noite de domingo, 126 migrantes que tentavam alcançar as ilhas gregas, mas sem precisar quantos foram intercetados desde a entrada em vigor do acordo.

O novo regime, que prevê o envio para a Turquia de todos os migrantes que chegarem a partir de domingo, incluindo os requerentes de asilo sírios, implica o envio imediato de quem desembarca para os 'hotspots' (centro de registo e identificação) abertos pela Grécia em cinco ilhas do Egeu.

Em Lesbos, as autoridades transferiram antes do domingo os migrantes que já estavam na ilha para o campo aberto de Kara Tepe, para começarem a aplicar as novas medidas aos que continuam a desembarcar.

Para os que requerem um pedido de asilo, deverão permanecer até à avaliação do seu caso por especialistas gregos e europeus.

Hoje, o porta-voz do Alto comissariado da ONU para os Refugiados (HCR) em Lesbos anunciou que este organismo deixou de transportar para o 'hotspot' de Moria os migrantes que cheguem àquela ilha, pelo facto de ter sido declarado um "local fechado" na sequência do acordo UE-Turquia e no qual "as pessoas não são autorizadas a sair".

A permanência dos fluxos migratórios poderá implicar uma sobrelotação das ilhas, mesmo que muitos refugiados tenham começado a ser transferidos para o continente grego, para serem reenviados para a Turquia caso sejam considerados "imigrantes económicos", ou para uma eventual relocalização em outros países europeus.

Com as novas entradas, a Grécia, um país com 11 milhões de habitantes, ultrapassou hoje a barreira dos 50.000 exilados concentrados no seu território, segundo indicou o SOMP.

O acordo UE-Turquia, que mereceu as críticas de variadas organizações não-governamentais de defesa dos direitos humanos, prevê por sua vez que por cada sírio reenviado para a Turquia, um outro sírio será "reinstalado" na UE, num total de 72.000 lugares disponibilizados.

Segundo o executivo europeu, este mecanismo previsto no acordo vai requerer no total a mobilização de 4.000 agentes, para um orçamento calculado em 280 milhões de euros nos próximos seis meses.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.