sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

ACNUR diz que "hotspots" na Grécia se tornaram "centros de detenção"

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) lamentou hoje que os "hotspots" de acolhimento de migrantes na Grécia se tenham tornado em "centros de detenção" após o acordo entre a União Europeia e Turquia e decidiu abandonar parcialmente os locais onde presta assistência.

Centro de registo de refugiados na ilha de Lesbos, Grécia.

Centro de registo de refugiados na ilha de Lesbos, Grécia.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

"O ACNUR tem apoiado as autoridades nos 'hotspots' nas ilhas gregas, onde os migrantes são recebidos, assistidos e registados", explicou, num comunicado, a agência da ONU.

No entanto, acrescenta-se no documento, face às novas disposições, na sequência do acordo entre a UE e a Turquia, esses locais de acolhimento acabaram por tornar-se em "instalações de detenção".

"Em consequência, e conforme a nossa política, que se opõe à detenção obrigatória, suspendemos várias das nossas atividades em todos os centros fechados existentes nas ilhas gregas", escreve o ACNUR.

Entre as atividades em causa, o ACNUR suspendeu o transporte dos migrantes para os centros, apesar de manter os serviços de informação e de vigilância para assegurar que os direitos dos refugiados são respeitados.

Por outro lado, o pessoal do ACNUR continuará a estar presente no litoral e nos portos gregos para apoiar os migrantes e para os transportar, em caso de necessidade, para os hospitais locais.

O ACNUR manifestou-se "preocupado" se o acordo entre Bruxelas e Ancara for para a frente antes de a Grécia conseguir obter garantias para assegurar as necessidades básicas dos migrantes.

"Atualmente, a Grécia não tem capacidade suficiente nas ilhas para permitir uma boa avaliação dos que pedirem asilo, nem as condições adequadas para acolher as pessoas decentemente", refere-se no documento.

O acordo assinado sexta-feira em Bruxelas prevê o reenvio sistemático para os locais de partida de todos os migrantes que, chegados à Grécia depois de 20 de março, vejam o pedido de asilo recusado.

Por cada cidadão sírio reenviado para a Turquia, um outro da mesma nacionalidade será reinstalado na UE, até se atingir um total de 72.000 migrantes.

Segundo as autoridades gregas, os migrantes permanecerão nas ilhas, onde se concentram em cinco "hotspots" existentes (campos de registo e de identificação), cuja capacidade deverá ser aumentada de 6.000 para 20.000 pessoas.

Segundo o ACNUR, desde o início do ano chagaram à Grécia 147.437 migrantes, 49% deles sírios.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.