sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polónia recusa receber refugiados após atentados em Bruxelas

A primeira-ministra da Polónia, Beata Szydlo, afirmou hoje que o país não vai aceitar quaisquer refugiados ao abrigo do mecanismo europeu de repartição de candidatos a asilo depois dos atentados de terça-feira em Bruxelas.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

© Alexandros Avramidis / Reuter

"Depois do que aconteceu ontem, terça-feira, em Bruxelas, não é possível neste momento dizer que estamos dispostos a aceitar qualquer número de migrantes", disse Szydlo à televisão privada polaca Superstacja.

O governo polaco, conservador e eurocético, tinha aceitado receber cerca de 7.000 refugiados ao abrigo do mecanismo europeu, respeitando o compromisso assumido com Bruxelas pelo anterior governo, centrista.

O primeiro grupo de refugiados recolocados deveria chegar à Polónia no final de março ou no princípio de abril.

"Somos obrigados, antes de tudo, a velar pela segurança dos nossos cidadãos", disse a primeira-ministra, acrescentando que a Europa deve recusar receber "milhares de migrantes que vêm apenas porque querem melhorar as suas condições de vida" e entre os quais "também há terroristas".

A primeira-ministra prosseguiu qualificando de "muito prudentes" as posições assumidas pelos países do Grupo de Visegrado -- Hungria, Polónia, República Checa e Eslováquia -- em face de países, como a Alemanha, que, considerou, "deram apressadamente o seu acordo a este afluxo de migrantes".

"Essa negligência está na origem dos problemas", disse.

Em setembro passado, a União Europeia adotou por maioria um acordo para a repartição de 120.000 refugiados. Eslováquia, Hungria, República Checa e Roménia votaram contra e a Polónia, então governada por centristas, votou a favor.

Os atentados de Bruxelas, que visaram o aeroporto da capital da Bélgica e uma estação de metro do centro da cidade, fizeram pelo menos 31 mortos e 270 feridos.

Segundo a procuradoria belga, dois dos autores dos ataques são os irmãos Ibrahim e Khalil El-Bakraoui, nascidos em Bruxelas e de nacionalidade belga, havendo dois outros suspeitos por identificar, um dos quais está em fuga.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.