sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polónia recusa receber refugiados após atentados em Bruxelas

A primeira-ministra da Polónia, Beata Szydlo, afirmou hoje que o país não vai aceitar quaisquer refugiados ao abrigo do mecanismo europeu de repartição de candidatos a asilo depois dos atentados de terça-feira em Bruxelas.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

© Alexandros Avramidis / Reuter

"Depois do que aconteceu ontem, terça-feira, em Bruxelas, não é possível neste momento dizer que estamos dispostos a aceitar qualquer número de migrantes", disse Szydlo à televisão privada polaca Superstacja.

O governo polaco, conservador e eurocético, tinha aceitado receber cerca de 7.000 refugiados ao abrigo do mecanismo europeu, respeitando o compromisso assumido com Bruxelas pelo anterior governo, centrista.

O primeiro grupo de refugiados recolocados deveria chegar à Polónia no final de março ou no princípio de abril.

"Somos obrigados, antes de tudo, a velar pela segurança dos nossos cidadãos", disse a primeira-ministra, acrescentando que a Europa deve recusar receber "milhares de migrantes que vêm apenas porque querem melhorar as suas condições de vida" e entre os quais "também há terroristas".

A primeira-ministra prosseguiu qualificando de "muito prudentes" as posições assumidas pelos países do Grupo de Visegrado -- Hungria, Polónia, República Checa e Eslováquia -- em face de países, como a Alemanha, que, considerou, "deram apressadamente o seu acordo a este afluxo de migrantes".

"Essa negligência está na origem dos problemas", disse.

Em setembro passado, a União Europeia adotou por maioria um acordo para a repartição de 120.000 refugiados. Eslováquia, Hungria, República Checa e Roménia votaram contra e a Polónia, então governada por centristas, votou a favor.

Os atentados de Bruxelas, que visaram o aeroporto da capital da Bélgica e uma estação de metro do centro da cidade, fizeram pelo menos 31 mortos e 270 feridos.

Segundo a procuradoria belga, dois dos autores dos ataques são os irmãos Ibrahim e Khalil El-Bakraoui, nascidos em Bruxelas e de nacionalidade belga, havendo dois outros suspeitos por identificar, um dos quais está em fuga.

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.