sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polónia recusa receber refugiados após atentados em Bruxelas

A primeira-ministra da Polónia, Beata Szydlo, afirmou hoje que o país não vai aceitar quaisquer refugiados ao abrigo do mecanismo europeu de repartição de candidatos a asilo depois dos atentados de terça-feira em Bruxelas.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

© Alexandros Avramidis / Reuter

"Depois do que aconteceu ontem, terça-feira, em Bruxelas, não é possível neste momento dizer que estamos dispostos a aceitar qualquer número de migrantes", disse Szydlo à televisão privada polaca Superstacja.

O governo polaco, conservador e eurocético, tinha aceitado receber cerca de 7.000 refugiados ao abrigo do mecanismo europeu, respeitando o compromisso assumido com Bruxelas pelo anterior governo, centrista.

O primeiro grupo de refugiados recolocados deveria chegar à Polónia no final de março ou no princípio de abril.

"Somos obrigados, antes de tudo, a velar pela segurança dos nossos cidadãos", disse a primeira-ministra, acrescentando que a Europa deve recusar receber "milhares de migrantes que vêm apenas porque querem melhorar as suas condições de vida" e entre os quais "também há terroristas".

A primeira-ministra prosseguiu qualificando de "muito prudentes" as posições assumidas pelos países do Grupo de Visegrado -- Hungria, Polónia, República Checa e Eslováquia -- em face de países, como a Alemanha, que, considerou, "deram apressadamente o seu acordo a este afluxo de migrantes".

"Essa negligência está na origem dos problemas", disse.

Em setembro passado, a União Europeia adotou por maioria um acordo para a repartição de 120.000 refugiados. Eslováquia, Hungria, República Checa e Roménia votaram contra e a Polónia, então governada por centristas, votou a favor.

Os atentados de Bruxelas, que visaram o aeroporto da capital da Bélgica e uma estação de metro do centro da cidade, fizeram pelo menos 31 mortos e 270 feridos.

Segundo a procuradoria belga, dois dos autores dos ataques são os irmãos Ibrahim e Khalil El-Bakraoui, nascidos em Bruxelas e de nacionalidade belga, havendo dois outros suspeitos por identificar, um dos quais está em fuga.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24