sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Alunos mostram hoje o que levariam na mochila se fossem refugiados

Estudantes de todo o país são hoje desafiados a levar para a escola uma mochila com os bens que transportariam se tivessem de partir de repente para fugir da guerra e a explicarem a razão das suas escolhas.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

A ação faz parte da campanha "E se fosse eu? Fazer a mochila e partir", promovida pela Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), em colaboração com a Direção-Geral da Educação, o Alto Comissariado para as Migrações e o Conselho Nacional de Juventude.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da PAR, Rui Marques, explicou que os estudantes de todas as escolas do país, desde o pré-escolar ao secundário, são convidados a mostrar, na primeira hora do seu dia de aulas, fisicamente ou em fotografia, como arrumariam a sua mochila se tivessem de fugir da guerra.

Este exercício "é a forma mais simples de perceber o que quer dizer para um refugiado deixar tudo para trás, ver a sua vida reduzida a uma mochila e ter que selecionar as coisas essenciais que leva consigo num trajeto de enorme incerteza, em que não sabe onde vai ser acolhido, nem sabe sequer se vai sobreviver", disse Rui Marques.

Para o coordenador da PAR, esta iniciativa é de "grande impacto" na sociedade, porque mobiliza não só os estudantes, mas toda a comunidade educativa.

Segundo o responsável, a iniciativa despertou o interesse das escolas e terá um "impacto na vida da comunidade escolar muito significativo".

"Centenas de escolas vão desenvolver este projeto por todo o país, que tem um "grande simbolismo" e "um significado profundo", porque permite perceber que nenhuma comunidade e nenhum país estão isentos do risco de poder, um dia, ter uma situação de conflito, de crise e ser obrigada a fugir.

"O sentido de ser solidário é também colocar-me na pele do outro e perceber o que gostaria que fosse efeito se fosse comigo em termos de acolhimento", sublinhou.

Durante a ação na sala de aula será exibido um vídeo que mostra o que os refugiados transportam consigo e será feita uma reflexão entre o professor e os alunos sobre o que é ser refugiado.

Segundo coordenador da PAR, estão em Portugal 149 refugiados distribuídos por várias organizações que têm assegurado o acolhimento destas pessoas.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.