sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Alunos mostram hoje o que levariam na mochila se fossem refugiados

Estudantes de todo o país são hoje desafiados a levar para a escola uma mochila com os bens que transportariam se tivessem de partir de repente para fugir da guerra e a explicarem a razão das suas escolhas.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

A ação faz parte da campanha "E se fosse eu? Fazer a mochila e partir", promovida pela Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), em colaboração com a Direção-Geral da Educação, o Alto Comissariado para as Migrações e o Conselho Nacional de Juventude.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da PAR, Rui Marques, explicou que os estudantes de todas as escolas do país, desde o pré-escolar ao secundário, são convidados a mostrar, na primeira hora do seu dia de aulas, fisicamente ou em fotografia, como arrumariam a sua mochila se tivessem de fugir da guerra.

Este exercício "é a forma mais simples de perceber o que quer dizer para um refugiado deixar tudo para trás, ver a sua vida reduzida a uma mochila e ter que selecionar as coisas essenciais que leva consigo num trajeto de enorme incerteza, em que não sabe onde vai ser acolhido, nem sabe sequer se vai sobreviver", disse Rui Marques.

Para o coordenador da PAR, esta iniciativa é de "grande impacto" na sociedade, porque mobiliza não só os estudantes, mas toda a comunidade educativa.

Segundo o responsável, a iniciativa despertou o interesse das escolas e terá um "impacto na vida da comunidade escolar muito significativo".

"Centenas de escolas vão desenvolver este projeto por todo o país, que tem um "grande simbolismo" e "um significado profundo", porque permite perceber que nenhuma comunidade e nenhum país estão isentos do risco de poder, um dia, ter uma situação de conflito, de crise e ser obrigada a fugir.

"O sentido de ser solidário é também colocar-me na pele do outro e perceber o que gostaria que fosse efeito se fosse comigo em termos de acolhimento", sublinhou.

Durante a ação na sala de aula será exibido um vídeo que mostra o que os refugiados transportam consigo e será feita uma reflexão entre o professor e os alunos sobre o que é ser refugiado.

Segundo coordenador da PAR, estão em Portugal 149 refugiados distribuídos por várias organizações que têm assegurado o acolhimento destas pessoas.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.