sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Amnistia Internacional denuncia más condições de refugiados na Grécia

A organização humanitária Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje que milhares de migrantes e refugiados estão "retidos em condições calamitosas" na Grécia.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

© Alexandros Avramidis / Reuter

Uma equipa da Amnistia Internacional inspecionou esta semana os centros para refugiados nas ilhas gregas de Lesbos e Quios, onde estão "retidos de forma arbitrária" cerca de 4.200 pessoas, refere, em comunicado, a organização sediada em Londres.

A maioria dos refugiados e migrantes chegaram à Grécia depois de 20 de março, quando entrou em vigor o acordo entre a União Europeia e Ancara para os devolver à Turquia.

"Nos limites da Europa, os refugiados estão presos sem luz ao fundo do túnel. As instalações defeituosas, feitas à pressa e mal preparadas são um caminho seguro para erros, pisar os direitos e o bem-estar das pessoas mais vulneráveis", disse a vice-diretora da AI para a Europa, Gauri van Gulik.

"Os detidos em Lesbos e Quios não têm virtualmente acesso a ajuda legal, têm acesso limitado a apoio e serviços e praticamente nenhuma informação sobre a sua atual situação e o seu possível destino", lamentou Gauri van Gulik.

As pessoas contactadas pela Amnistia Internacional queixaram-se da qualidade da comida que recebem, da escassez de mantas e de privacidade, assim como de acesso inadequado a assistência médica.

A AI sublinhou que aquelas deficiências são especialmente graves para os grupos que necessitam de cuidados sanitários específicos.

No centro de Moria há três médicos para 2.150 pessoas, segundo a AI, enquanto em Vial, uma equipa sanitária atende os refugiados durante um número limitado de horas e há falta de medicamentos e de equipas especializadas.

Várias mães internadas nos centros queixaram-se de não receberem comida apropriada, nem leite suficiente para aos seus filhos recém-nascidos.

A Amnistia Internacional denuncia que as instalações têm também três vezes mais pessoas do que o previsto e que o sistema da Grécia para recolher pedido de asilo "não está a funcionar, devido à falta de recursos e instruções claras".

Segundo a AI, o único funcionário que se ocupa dos pedidos no centro de Quios assegurou que o número de pedidos de asilo supera a sua capacidade de os processar.

A informação dada aos migrantes e aos refugiados é inadequada, segundo a AI, que relata como algumas pessoas de nacionalidade síria foram obrigadas a assinar documentos que não compreendiam, porque não havia interprete e não receberam cópia dos mesmos.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC