sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Crise dos refugiados deve ser prioridade do próximo secretário-geral da ONU, defendem ONG

As principais organizações de direitos humanos definiram hoje a "agenda" do próximo secretário-geral da ONU, defendendo que deve comprometer-se com uma nova abordagem global para os refugiados e a acabar com a pena de morte.

(arquivo)

(arquivo)

Amel Emric

A Amnistia Internacional, o Observatório dos Direitos Humanos e quatro outros grupos também consideraram que o próximo chefe das Nações Unidas deve estar preparado para invocar a carta da ONU para prevenir e pôr termo a atrocidades em massa, como as que têm civis como alvos em guerras.

"O mundo precisa de um secretário-geral forte, que se levante contra os países que cometem violações dos direitos humanos", declarou Salil Shetty, secretária-geral da Amnistia em comunicado.

"As Nações Unidas não podem cumprir o seu mandato se não colocarem os direitos humanos no centro de toda a sua atividade", acrescentou.

A "agenda", com um total de oito pontos, delineada pelos grupos de defesa dos direitos humanos, foi divulgada numa altura em que os candidatos à sucessão de Ban Ki-moon se preparam para responder às perguntas da Assembleia-Geral das Nações Unidas, uma novidade na história de 70 anos da ONU.

Apesar de o secretário-geral ser eleito pela Assembleia-Geral da ONU, tradicionalmente, o processo era controlado na penumbra pelas potências do Conselho de Segurança da ONU, que acabava por recomendar um candidato.

No entanto, a ONU quer mais transparência no processo, pelo que anunciou que a Assembleia-Geral começa a partir de terça-feira, dia 12, as primeiras entrevistas com os aspirantes ao cargo.

Há oito candidatos à liderança das Nações Unidas, quatro dos quais mulheres, numa corrida em que participa o antigo primeiro-ministro português António Guterres que, no final do ano passado, cessou funções como alto-comissário da ONU para os Refugiados.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.