sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Crise dos refugiados deve ser prioridade do próximo secretário-geral da ONU, defendem ONG

As principais organizações de direitos humanos definiram hoje a "agenda" do próximo secretário-geral da ONU, defendendo que deve comprometer-se com uma nova abordagem global para os refugiados e a acabar com a pena de morte.

(arquivo)

(arquivo)

Amel Emric

A Amnistia Internacional, o Observatório dos Direitos Humanos e quatro outros grupos também consideraram que o próximo chefe das Nações Unidas deve estar preparado para invocar a carta da ONU para prevenir e pôr termo a atrocidades em massa, como as que têm civis como alvos em guerras.

"O mundo precisa de um secretário-geral forte, que se levante contra os países que cometem violações dos direitos humanos", declarou Salil Shetty, secretária-geral da Amnistia em comunicado.

"As Nações Unidas não podem cumprir o seu mandato se não colocarem os direitos humanos no centro de toda a sua atividade", acrescentou.

A "agenda", com um total de oito pontos, delineada pelos grupos de defesa dos direitos humanos, foi divulgada numa altura em que os candidatos à sucessão de Ban Ki-moon se preparam para responder às perguntas da Assembleia-Geral das Nações Unidas, uma novidade na história de 70 anos da ONU.

Apesar de o secretário-geral ser eleito pela Assembleia-Geral da ONU, tradicionalmente, o processo era controlado na penumbra pelas potências do Conselho de Segurança da ONU, que acabava por recomendar um candidato.

No entanto, a ONU quer mais transparência no processo, pelo que anunciou que a Assembleia-Geral começa a partir de terça-feira, dia 12, as primeiras entrevistas com os aspirantes ao cargo.

Há oito candidatos à liderança das Nações Unidas, quatro dos quais mulheres, numa corrida em que participa o antigo primeiro-ministro português António Guterres que, no final do ano passado, cessou funções como alto-comissário da ONU para os Refugiados.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.