sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Papa Francisco visita Lesbos para expressar solidariedade

O papa Francisco desloca-se no sábado à ilha grega de Lesbos, numa visita novamente centrada na questão dos migrantes e refugiados, quando a Europa continua a levantar barreias e a fechar fronteiras.

© Stefano Rellandini / Reuters

Em Lesbos, Francisco quer expressar "a sua proximidade e a sua solidariedade" aos migrantes e ao povo grego.

Numa mensagem no final da audiência geral semanal das quartas-feiras, na praça de São Pedro, Jorge Bergoglio falou da breve deslocação a Lesbos, numa altura em que toda a Europa está dividida sobre o acolhimento de migrantes e refugiados.

"No próximo sábado, vou visitar a ilha de Lesbos, por onde numerosos refugiados passaram nos últimos meses", anunciou o papa.

"Farei a visita com os meus irmãos, o patriarca de Constantinopla Bartolomeu e o arcebispo de Atenas e de toda a Grécia Jerónimo II, para expressar proximidade e solidariedade aos refugiados, aos cidadãos de Lesbos e a todo o povo grego tão generoso no acolhimento" dos migrantes, lembrou Francisco, sublinhando a importância ecuménica da visita.

O papa, que falava perante cerca de 22 mil fiéis reunidos na praça, pediu que o acompanhassem espiritualmente nesta viagem: "Peço que me acompanhem em oração".

Francisco fez do acolhimento dos refugiados e migrantes uma das suas prioridades, pedindo à Europa que não fechasse as suas portas e aceitasse também quem deixou os seus países para fugir à miséria e à fome.

No início do pontificado, em julho de 2013, Jorge Bergoglio - num gesto idêntico e de grande alcance simbólico, visitou a ilha italiana de Lampedusa (sul), outro local de chegada de milhares de migrantes.

Esta visita a Lesbos decorre no meio de um acesso debate entre europeus sobre a política a adotar em relação ao fluxo de migrantes do Médio Oriente e de África, quando alguns países ergueram já barreiras nas suas fronteiras.

O presidente da Grécia, Prokopis Pavlopoulos, vai acompanhar Francisco durante a visita a Lesbos.

Em comunicado, o Governo grego recordou que Francisco e Bartolomeu têm manifestado "a necessidade de mostrar solidariedade e demonstraram a sua rejeição das políticas xenófobas e inumanas de fronteiras fechadas".

O Executivo helénico também considerou que Francisco e Bartolomeu honram os esforços e a eficácia demonstrada pelos cidadãos e organizações humanitárias deste país durante a fase mais complexa de gestão da crise.

O acordo entre Bruxelas e Ancara, assinado em 18 de março, prevê o reenvio para a Turquia de todos os migrantes que cheguem irregularmente à Grécia a partir de 20 de março com a contrapartida da "reinstalação" na UE, proveniente de território turco, de um refugiado sírio por cada migrante reenviado, num limite máximo de 72.000 lugares.

Em 2015, cerca de um milhão de pessoas atravessou o mar Egeu em direção à Grécia, mas segundo as autoridades gregas e após a entrada em vigor do acordo UE-Turquia, o fluxo diminuiu de forma significativa.

Na sequência do encerramento da "rota dos Balcãs" no final de fevereiro, cerca de 50.000 exilados não abrangidos pelo acordo permanecem contudo bloqueados na Grécia.

A Turquia, que acolheu 2,7 milhões de refugiados sírios desde o início do conflito em 2011, tornou-se o ponto de partida de numerosos destes refugiados, mas também iraquianos, afegãos ou eritreus que pretendem alcançar as fronteiras da EU, mas que agora se arriscam a ser reenviados na sua quase totalidade.

A Organização Internacional para Migrações (OIM) revelou que mais de 172 mil migrantes e refugiados chegaram à Europa pelo mar em 2016, até ao início de abril.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.