sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Papa quer levar para o Vaticano refugiados que estão em Lesbos

O Papa Francisco comunicou que quer levar para o Vaticano refugiados que estão na ilha grega de Lesbos, onde está a fazer uma visita de solidariedade, afirmou uma fonte oficial grega.

Andrea Bonetti

Segundo a referida fonte, do organismo de coordenação da política migratória grego (SOMP), estes refugiados pertencem a "grupos vulneráveis" e "chegaram a Lesbos antes da entrada em vigor do acordo entre a União Europeia (UE) e a Turquia", que permite o reenvio dos migrantes para a Turquia.

A televisão pública grega ERT noticiou que os refugiados que o papa Francisco vai levar para o Vaticano pertencem a três famílias que estão no campo aberto de Kara Tepe e que foram escolhidas à sorte.

Segundo a agência de notícias grega, Ana, o Papa quer levar estes refugiados, uma dezena no total, a bordo do seu avião, quando partir hoje à tarde de Lesbos.

Entretanto, o SOMP ainda não confirmou estes pormenores.

O avião do Papa argentino aterrou hoje às 10:04 locais (8:04 em Lisboa), 15 minutos antes do programado, no aeroporto de Mytilène, capital da ilha, onde era esperado pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

"É uma viagem um pouco diferente das outras. Uma viagem marcada pela tristeza, uma viagem triste", afirmou o Papa durante o voo aos jornalistas.

"Vamos testemunhar o pior desastre humanitário desde a Segunda Guerra Mundial. Vamos ver tantas pessoas que estão a sofrer, que estão a fugir e não sabem para onde", afirmou.

"Também vamos a um cemitério, o mar. Tantas pessoas que nunca chegaram", afirmou ainda o Papa Francisco.

O Papa vai fazer uma visita de cinco horas à ilha, durante as quais vai estar com refugiados, acompanhado pelo patriarca ortodoxo Bartolomeu, pelo chefe da Igreja Grega, arcebispo Jerónimo II, e por Alexis Tsipras.

Com Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01