sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Amnistia diz que Europa é responsável pelos 46.000 refugiados bloqueados na Grécia

A Amnistia Internacional (AI) alertou hoje para a situação dos mais de 46.000 refugiados e migrantes que permanecem na Grécia continental em condições muito precárias, considerando que a situação pode agravar-se na sequência do recente acordo UE-Turquia.

Entre 3 mil e 5 mil pessoas permanecem diariamente num campo informal no porto do Pireu, em Atenas.

Entre 3 mil e 5 mil pessoas permanecem diariamente num campo informal no porto do Pireu, em Atenas.

© Michalis Karagiannis / Reuter

O relatório "Bloqueados na Grécia: uma crise de refugiados evitável" examina a situação de refugiados e migrantes, na maioria mulheres e crianças, que permanecem bloqueados na Grécia continental na sequência do total encerramento da fronteira macedónia em 7 de março.

"A decisão de fechar a rota dos Balcãs ocidentais deixou mais de 46.000 refugiados e migrantes em condições horrendas e num estado de permanente medo e incerteza", refere John Dalhuisen, diretor da AI para a Europa e Ásia central, citado no relatório.

O dirigente da AI adianta que "os países da União Europeia [UE] apenas exacerbaram esta crise por não terem atuado de forma decisiva na ajuda à recolocação de dezenas de milhares de requerentes de asilo, na maioria mulheres e crianças, bloqueados na Grécia".

"Caso os líderes da UE não atuem urgentemente para cumprir as suas promessas de recolocação e de melhoria das condições para os refugiados e migrantes bloqueados, enfrentam uma calamidade humanitária por si provocada", refere o documento.

Dos 66.400 requerentes de asilo que desde a Grécia deveriam ser recolocados em outros países a partir de 15 de setembro, apenas 615 foram transferidos para outros Estados-membros da UE, de acordo com uma informação da Comissão Europeia em 12 de abril.

O relatório aponta que as condições são inadequadas em muitos dos 31 centros de acolhimento temporários. Estes locais, instalados pela Grécia com significativa ajuda da UE, encontram-se superlotados, com total ausência de privacidade, sem aquecimento e insuficientes instalações sanitárias.

"Aqui as condições não são boas e dormimos no chão; os nossos cobertores estão ensopados com água. Aqui não há casas de banho. É por isso que as pessoas estão a ficar doentes", referiu à AI uma mulher síria grávida de nove meses num campo improvisado em Idomeni, junto à fronteira macedónia.

Entre 3.000 e 5.000 pessoas permanecem diariamente num campo informal no porto do Pireu, em Atenas, dependentes de poucos serviços básicos fornecidos por voluntários, algumas organizações humanitárias e pelas autoridades portuárias.

Muitos dos refugiados e migrantes entrevistados durante duas deslocações da AI, entre 8 de fevereiro e 13 de março, esperavam prosseguir a sua viagem em direção à Europa ocidental para se juntarem a familiares. Após o encerramento da fonteira macedónia, a larga maioria apenas possuía informações limitadas sobre as suas opções.

Para além da ausência de informações sobre os seus direitos na Grécia, permanecem sem ajuda os refugiados e migrantes com vulnerabilidades específicas. A AI também contactou crianças não acompanhadas detidas em esquadras de polícia durante 15 dias, até serem transferidas para centros de acolhimento específicos.

A ONG de direitos humanos apela à Grécia para melhorar urgentemente o sistema de asilo do país e assegurar a proteção efetiva para todos os migrantes e refugiados bloqueados no país. Com prioridade, o relatório sugere a adoção de um mecanismo para o fornecimento sistemático de informações, e a deteção das pessoas com necessidades especiais.

O relatório assinala ainda que os restantes 27 Estados-membros da UE devem continuar a apoiar a Grécia para um acolhimento adequado aos requerentes de asilo que chegam a este país, para além de também deverem aceitar os requerimentos destas pessoas que de início alcançam território grego.

A AI conclui o relatório sugerindo que este processo deverá incluir uma rápida recolocação de um elevado número de requerentes de asilo através dos atuais esquemas de recolocação de emergência.

Lusa

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

    Mundo

    O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

  • Semáforos no chão para os mais distraídos

    Mundo

    Na cidade holandesa de Bodegraven, está a ser testado um sistema de semáforos para quem usa o telemóvel na rua. Estes semáforos têm a forma de faixas, que são colocadas no chão, e a luz muda de cor consoante o trânsito, tal como os semáforos já existentes.

    André de Jesus

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.