sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Centenas de mortos em naufrágio, confirma Presidente italiano

Várias centenas de pessoas morreram num naufrágio no Mediterrâneo, ao largo do Egito, confirmou hoje o Presidente italiano, Sergio Mattarella.

Guarda Costeira italiana

A comunicação social avança com 400 mortos mas os números ainda não foram confirmados. A britânica Sky News afirma que foram quatro embarcações que naufragaram no Mediterrâneo.

O Presidente italiano, Sergio Mattarella, que se encontra em visita oficial aos Camarões desde domingo, proveniente da Etiópia, instou a Europa a refletir no problema da migração, face a "uma nova tragédia no Mediterrânio, na qual, ao que parece, morreram várias centenas de pessoas.

A guarda costeira italiana, que esta manhã disse não ter tido conhecimento da notícia, indicou que foram salvos 108 migrantes e seis corpos recuperados de uma embarcação de borracha parcialmente submersa no domingo. Um segundo relatório das autoridades italianas deu conta de que 33 migrantes foram salvos durante a noite ao largo da costa siciliana.

Um outro pormenor está ainda a ser avançado pelo The Independent, segundo o qual, notícias ainda não confirmadas referem que quatro embarcações mal equipadas com cerca de quatro centenas de migrantes, provenientes da Somália, Etiópia e Eritreia, terão partido da costa egípcia em direção a Itália.

Alguns sobreviventes, segundo a BBC, terão sido levados para uma ilha grega.

A alegada tragédia ocorre quase um ano depois de uma embarcação de pesca lotada com migrantes se ter afundado ao largo da costa Líbia no Mediterrânio, a pouco mais de 200 quilómetros de Lampedusa, provocando a morte de cerca de 800 pessoas.

De acordo com números das Nações Unidas, 180 mil pessoas tentaram alcançar a Europa por barco este ano, com o custo de quase 800 vidas.

Última atualização; 13h15

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05