sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Marcelo diz que Portugal pode duplicar o acolhimento de refugiados "se necessário"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, realçou hoje a resposta de Portugal no acolhimento aos refugiados, afirmando que o país está disponível, "se necessário for", a duplicar o número proposto pela União Europeia.

© Rafael Marchante / Reuters

"Portugal - afirmou o Presidente da República - mostrou disponibilidade para acolher até mais refugiados, se necessário for, duplicando o número daqueles que podemos receber", disse hoje o Presidente da República.

A Comissão Europeia propôs a Portugal receber 1.500 refugiados, da Síria e da Eritreia.

O chefe de Estado falava aos jornalistas, no Centro de Cultural de Belém, em Lisboa, antes de assistir ao concerto de orquestras e coros das instituições portuguesas de ensino superior, em apoio aos refugiados, numa iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

"Esta é uma iniciativa exemplar, logo no dia em que assistimos a mais uma tragédia, que são tragédias diárias que ocorrem no Mediterrâneo, e que põem à prova tudo aquilo o que são os valores da Europa", disse o Presidente da República, destacando o facto de "Portugal ter respondido como ninguém, afirmando os valores europeus".

O Chefe de Estado referia-se, deste modo, ao acidente com um barco em que seguiam cerca de 400 pessoas, na sua maioria somalis, que adornou no Mediterrâneo ao largo da costa do Egito.

Um diplomata somali no Egipto, não identificado, confirmou à BBC a notícia, que começou por ser divulgada nas redes sociais no domingo, por famílias dos migrantes.

Sobre o concerto, Rebelo de Sousa qualificou-o como "uma iniciativa única", de estudantes "que, num gesto de singular de solidariedade, vêm dizer presente a uma causa que é nacional, e também europeia".

A receita do concerto reverte para a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), e Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de salientar o seu "mérito".

"O Estado tem feito aquilo que lhe compete, mas a plataforma tem reunido as mais diferentes instituições, e o [seu] papel tem sido essencial; é a sociedade civil a tomar iniciativa, a liderar, apoiada pelo Estado", disse.

O Presidente apelou ainda para "quem puder contribuir", o deve fazer, "pois está a ajudar uma causa que é nacional".

Marcaram presença vários ministros e secretários de Estado, entre eles, o ministro-adjunto, Eduardo Babrita, que afirmou que as instituições de Ensino Superior estão dispostas a receber refugiados que queiram estudar.

O concerto de solidariedade é dirigido pelos maestros Joana Carneiro e Kodo Yamaguishi, e reúne cerca de 200 artistas, alunos e professores de instituições de ensino superior, que se juntaram "para responder a um dos maiores desafios que a Europa do século XXI atravessa: a crise dos refugiados", como se lê num comunicado do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), promotor da iniciativa.

As receitas do concerto "Música Sem Fronteiras" revertem, através PAR, para ações de apoio a refugiados provenientes da Grécia.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.