sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Marcelo diz que Portugal pode duplicar o acolhimento de refugiados "se necessário"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, realçou hoje a resposta de Portugal no acolhimento aos refugiados, afirmando que o país está disponível, "se necessário for", a duplicar o número proposto pela União Europeia.

© Rafael Marchante / Reuters

"Portugal - afirmou o Presidente da República - mostrou disponibilidade para acolher até mais refugiados, se necessário for, duplicando o número daqueles que podemos receber", disse hoje o Presidente da República.

A Comissão Europeia propôs a Portugal receber 1.500 refugiados, da Síria e da Eritreia.

O chefe de Estado falava aos jornalistas, no Centro de Cultural de Belém, em Lisboa, antes de assistir ao concerto de orquestras e coros das instituições portuguesas de ensino superior, em apoio aos refugiados, numa iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

"Esta é uma iniciativa exemplar, logo no dia em que assistimos a mais uma tragédia, que são tragédias diárias que ocorrem no Mediterrâneo, e que põem à prova tudo aquilo o que são os valores da Europa", disse o Presidente da República, destacando o facto de "Portugal ter respondido como ninguém, afirmando os valores europeus".

O Chefe de Estado referia-se, deste modo, ao acidente com um barco em que seguiam cerca de 400 pessoas, na sua maioria somalis, que adornou no Mediterrâneo ao largo da costa do Egito.

Um diplomata somali no Egipto, não identificado, confirmou à BBC a notícia, que começou por ser divulgada nas redes sociais no domingo, por famílias dos migrantes.

Sobre o concerto, Rebelo de Sousa qualificou-o como "uma iniciativa única", de estudantes "que, num gesto de singular de solidariedade, vêm dizer presente a uma causa que é nacional, e também europeia".

A receita do concerto reverte para a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), e Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de salientar o seu "mérito".

"O Estado tem feito aquilo que lhe compete, mas a plataforma tem reunido as mais diferentes instituições, e o [seu] papel tem sido essencial; é a sociedade civil a tomar iniciativa, a liderar, apoiada pelo Estado", disse.

O Presidente apelou ainda para "quem puder contribuir", o deve fazer, "pois está a ajudar uma causa que é nacional".

Marcaram presença vários ministros e secretários de Estado, entre eles, o ministro-adjunto, Eduardo Babrita, que afirmou que as instituições de Ensino Superior estão dispostas a receber refugiados que queiram estudar.

O concerto de solidariedade é dirigido pelos maestros Joana Carneiro e Kodo Yamaguishi, e reúne cerca de 200 artistas, alunos e professores de instituições de ensino superior, que se juntaram "para responder a um dos maiores desafios que a Europa do século XXI atravessa: a crise dos refugiados", como se lê num comunicado do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), promotor da iniciativa.

As receitas do concerto "Música Sem Fronteiras" revertem, através PAR, para ações de apoio a refugiados provenientes da Grécia.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.