sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Fundador de movimento alemão Pegida condenado por insultar refugiados

O fundador do movimento islamófobo alemão Pegida, Lutz Bachmann, foi esta terça-feira condenado a pagar uma coima de 9.600 euros por um tribunal de Dresden, no leste da Alemanha, por ter comparado os refugiados a "gado".

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

Crianças brincam na lama com um urso de peluche num campo de refugiados próximo de Idomeni, na Grécia, junto à fronteira com a Macedónia.

© Alexandros Avramidis / Reuter

Anteriormente condenado por roubo, violência e tráfico de cocaína, Lutz Bachmann, de 43 anos, foi considerado culpado de "incitação ao ódio" devido às afirmações que publicou em setembro de 2014 na sua página da rede social Facebook, em que descrevia os "refugiados de guerra" como "gado" e "ralé".

Os "Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente" (Pegida) lançaram o seu movimento no outono de 2014 em Dresden.

Mas, depois de ter tentado implantar-se em toda a Alemanha e nos países vizinhos, o Pegida sofreu um revés, com a publicação pelo jornal Bild de fotos de Bachmann mascarado de Adolf Hitler, e com o colapso da sua liderança.

Apesar de um arranque no outono passado, o movimento não retomou as suas iniciativas de mobilização na rua e mantém-se sobretudo acantonada em Dresden, a capital do estado regional de Saxe, na ex-RDA, palco de muitos ataques aos refugiados.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02