sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Bruxelas propõe isenção de vistos para cidadãos turcos

A Comissão Europeia propôs hoje a isenção de vistos para cidadãos turcos, prevista no acordo entre União Europeia (UE) e Turquia sobre a gestão da crise migratória, e que deverá ser aplicada já a partir de junho.

A isenção de vistos para cidadãos turcos, uma vez aprovada pelo Conselho e pelo Parlamento Europeu, aplicar-se-á a todos os Estados-membros da União Europeia.

A isenção de vistos para cidadãos turcos, uma vez aprovada pelo Conselho e pelo Parlamento Europeu, aplicar-se-á a todos os Estados-membros da União Europeia.

© Sertac Kayar / Reuters

A proposta do executivo comunitário, que terá de ser aprovada pelo Conselho (Estados-membros) e Parlamento Europeu, surge no quadro do compromisso alcançado a 18 de março passado entre a UE e Ancara sobre a crise migratória e de refugiados, e que previa uma aceleração "com caráter de urgência" do "roteiro" para a liberalização de vistos para os cidadãos turcos que viagem para o espaço Schengen.

Embora aponte hoje que ainda há trabalho pela frente, a Comissão considera que a Turquia fez "progressos significativos, particularmente nas últimas semanas", para cumprir todos os requisitos reclamados pela União Europeia.

"Ainda há trabalho a fazer com caráter de urgência, mas se a Turquia prosseguir com os progressos realizados, conseguirá cumprir os requisitos ainda em falta. É por isso que estamos a colocar sobre a mesa uma proposta que abre o caminho para que o Parlamento Europeu e os Estados-membros aprovem a isenção de vistos" para cidadãos turcos, disse hoje o vice-presidente da Comissão Europeia e "número dois" do executivo comunitário, Frans Timmermans, numa conferência de imprensa em Bruxelas.

A isenção de vistos para cidadãos turcos, uma vez aprovada pelo Conselho e pelo Parlamento Europeu, aplicar-se-á a todos os Estados-membros da União Europeia com exceção da Irlanda e do Reino Unido, e ainda aos quatro países associados ao espaço Schengen de livre circulação de pessoas - Islândia, Liechenstein, Noruega e Suíça -, sendo válida para estadias até 90 dias.

As negociações entre UE e Turquia com vista à liberalização de vistos foi lançada em dezembro de 2013 e acelerada agora, como uma das contrapartidas oferecidas a Ancara no quadro do acordo para a gestão da crise migratória e de refugiados, tendo os chefes de Estado e de Governo da União acordado na cimeira UE-Turquia de 18 de março passado acordado liberalizar os vistos para cidadãos turcos o mais tardar até junho, sob a condição de a Turquia preencher os 72 requisitos previstos no "roteiro".

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC