sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Hungria e Polónia consideram que multas para quem recuse pedidos de asilo são "inaceitáveis"

A Hungria e a Polónia, contrárias ao sistema europeu de quotas para o acolhimento de refugiados, consideraram hoje que as multas propostas por Bruxelas para os países que recusem pedidos de asilo são "chantagem", "inaceitáveis" ou "uma piada".

Sem conhecerem o caminho, muitos dos migrantes perderam-se, mas foram ajudados por locais e pela Cruz Vermelha.

Sem conhecerem o caminho, muitos dos migrantes perderam-se, mas foram ajudados por locais e pela Cruz Vermelha.

© Heinz-Peter Bader / Reuters

A Comissão Europeia propôs hoje que os Estados-membros da União Europeia (UE) que recusem aceitar a quota de refugiados que lhe foi atribuída sejam obrigados a pagar uma "contribuição solidária" de 250.000 euros por cada pedido de asilo rejeitado.

"É chantagem, é inaceitável e é um tipo de proposta não-europeia", disse à imprensa o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto, após uma cimeira de países do centro e leste da Europa em Praga.

"O conceito de quotas é um beco sem saída e eu gostava de pedir à Comissão para não levar isto para um beco sem saída", acrescentou o ministro.

Já o homólogo polaco, Witold Waszczykowski, afirmou ter "dúvidas se é uma proposta a sério", por considerar que "parece uma piada do dia das mentiras".

Os quatro países do chamado Grupo de Visegrado -- Eslováquia, Hungria, Polónia e República Checa -- opõem-se ao mecanismo europeu de fixação de quotas para a distribuição dos refugiados pelos seus membros.

A Hungria e a Eslováquia recorreram nomeadamente ao Tribunal de Justiça do Luxemburgo para contestar o mecanismo e Budapeste conta ainda levar a questão a referendo, afirmando que o sistema viola a sua soberania nacional.

Lusa

  • "O Serviço Nacional de Saúde está falido pelo menos desde o ano 2000"
    0:34

    País

    Não será de estranhar se casos como o da legionella do S. Francisco Xavier venham a repetir-se. Quem o diz é o antigo administrador do Hospital de S. João, que chegou a ser, ainda que por pouco tempo, coordenador nacional para a reforma do SNS do Governo de Costa. António Ferreira falava ontem à noite, num encontro organizado pelo CDS.

  • "Estamos vivos"
    11:41