sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Portugueses dão nota negativa à UE por causa da crise dos refugiados

Os portugueses dão nota negativa à forma como a União Europeia tem estado a gerir a crise dos refugiados e a acolher estas pessoas, segundo uma sondagem realizada por uma empresa de estudos de mercado, divulgada hoje.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

Reuters

De acordo com os dados da Marktest, a que a Lusa teve acesso, 65,5% dos portugueses inquiridos dão nota negativa à atuação dos países da União Europeia (UE) na crise dos refugiados, com uma nota média de 4,4.

A pergunta colocada a 801 portugueses, entrevistados por telefone, procurou saber de que forma avaliam a forma como a União Europeia está a lidar com a crise dos refugiados, sendo que, numa escala de 1 a 10, um significa muito mal e 10 muito bem.

Em resposta, 15,4% dos inquiridos dizem que a forma de atuação da UE tem sido muito má e dão nota 1, enquanto 6,3% dá dois valores, 8,7% dá três, 9,6% avalia em quatro e 25,5% dá nota 5. Em suma, 65,5% dos portugueses avaliam negativamente a União Europeia.

Por outro lado, há 23,9% de portugueses que dão nota positiva, entre 8,9% que dá nota seis, 5,8% que pontua com 7, 5,1% que dá nota oito, 1,6% que acha que a atuação vale um 9 e 2,5% que entende que merece nota 10. No total, 23,9% dá nota positiva, havendo ainda 10,6% dos inquiridos que não sabem ou não respondem.

Olhando para o perfil dos inquiridos, são sobretudo os homens (nota média de 4,2), com idade entre os 55 e os 64 anos (média de 4), residentes na Grande Lisboa e no Grande Porto (4,3 e 4,2, respetivamente), bem como as pessoas de classe económica mais alta (média de 4) que deram as notas mais baixas e se mostraram mais críticos quanto à atuação da UE.

A sondagem da Marktest foi realizada entre os dias 19 e 25 de abril deste ano, através de 801 entrevistas telefónicas a pessoas de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 18 anos, residentes em Portugal Continental, em lares com telefones de rede fixa.

Foram entrevistadas 374 homens e 427 mulheres e a seleção dos lares a inquirir foi efectuada aleatoriamente, com base nas listas telefónicas de Portugal Continental.

A selecção dos inquiridos, um em cada lar, foi efetuada através do método de quotas, tendo em consideração as variáveis sexo, idade e região.

O erro de amostragem desta sondagem, para um intervalo de confiança de 95% (P=50%) é de, mais ou menos, 3,46 pontos percentuais.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.