sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 30 crianças sírias violadas em campo de refugiados turco

Mais de trinta crianças sírias, com idades entre os oito e os 12 anos, foram vítimas de abusos sexuais e violações por parte de um funcionário de um campo de refugiados na Turquia, noticia hoje o jornal BirGun.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Umit Bektas / Reuters

Os abusos prolongaram-se durante um período de três meses, no ano passado, no campo de refugiados turco de Nizip, na zona de Gaziantep, perto da fronteira com a Síria.

Fontes militares disseram ao jornal de Ancara que as suspeitas levaram os soldados a descobrir os factos que foram depois denunciados às autoridades judiciais, em setembro de 2015.

Altas patentes militares classificaram os acontecimentos como "um desastre" e responsabilizaram a Agência Estatal de Emergência (AFAD), que gere o campo, pelos abusos sexuais e violações dos menores.

Os militares começaram a suspeitar do comportamento do violador, identificado pelo jornal com as siglas E.E., porque levava crianças para zonas do campo que não estavam protegidas pelo sistema de videovigilância.

O homem, funcionário da limpeza do campo, confessou os abusos e violações, adiantando que oferecia às vítimas entre 45 cêntimos a um euro para manterem silêncio.

Apenas oito famílias denunciaram os abusos, sendo que, de acordo com o jornal, as restantes famílias mantiveram-se em silêncio por recearem represálias.

No acampamento, situado a 50 quilómetros da fronteira síria, encontram-se cerca de 14 mil pessoas que fugiram da guerra na Síria.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".