sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Papa diz a crianças que "imigrantes não são um perigo, estão em perigo"

O papa Francisco afirmou este sábado que "os imigrantes não são um perigo, estão em perigo", durante um encontro que manteve no Vaticano com 500 crianças italianas e imigrantes, chegadas da região da Calábria.

© POOL New / Reuters

"Os imigrantes não são um perido, estão em perigo", disse o pontífice por várias ocasiões, numa mensagem de fraternidade e de tolerância para com outras culturas e religiões, que pediu às crianças que repetissem com ele.

"O comboio das crianças" é o nome de uma iniciativa, organizada pelo Conselho Pontifício da Cultura, que desde há quatro edições leva crianças ao Vaticano de comboio para conhecer e conversar com o papa.

Desta vez, o tema eleito foi "Trazidos pelas ondas" e os participantes foram menores que vivem na Calábria, no sul de Itália, uma das regiões do país que concentra um maior número de imigrantes.

"Boa parte (dos participantes) é constituída por refugiados que vieram sobre as ondas do mar com as suas esperanças e tragédias", disse à agência espanhola Efe o presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, o cardeal Gianfranco Ravasi.

Durante o evento, Ravasi leu uma carta que as crianças tinham escrito ao papa e na qual refletiam sobre os "adultos que deixam a sua terra por causa da guerra e das perseguições", em que disseram que não conseguem entender "tanta injustiça" no mundo.

O pontífice concordou com esta mensagem e mostrou-se crítico em relação aos países que "não deixam vir e deportam as pessoas em busca de salvação, paz e trabalho", uma afirmação que assume particular significado depois de, na última semana, as embarcações europeias terem socorrido mais de 12 mil pessoas no Mediterrâneo.

"Os que chegam têm uma religião diferente, mas isso não é perigoso porque somos todos irmãos, Deus quer-nos a todos", afirmou o papa.

O sumo pontífice começou por receber as crianças com beijos, abraços e gestos de carinho, comentou os desenhos que um ou outro tinha levado e ofereceu-se para responder a perguntas.

Um participante perguntou ao papa como se devia acolher os imigrantes, ao que Francisco respondeu que devia ser "com gestos de carinho e abertura", sublinhando três palavras-chave: "ternura, compaixão e amizade".

"Os italianos não são todos bons, como em todas as partes, e os que vêm não são todos maus", disse ainda Jorge Bergoglio, que explicou o significado de aceitar os imigrantes com uma frase: "vou cuidar de ti".

O papa riu, interagiu com as crianças e pediu-lhes por diversas vezes que repetissem as suas ideias principais ou ensaiassem gestos de acolhimento.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.