sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Aldeia suíça preferiu pagar 260 mil euros a receber 10 refugiados

Uma das aldeias mais abastadas da Europa preferiu pagar 290 mil francos suíços (cerca de 263 mil euros), em vez de receber 10 refugiados. Os moradores de Oberwil-Lieli disseram que votaram não no referendo para aceitar os refugiados porque "eles não iam adaptar-se ali". A notícia aparece depois do Governo da Suíça anunciar um sistema de quotas que vem ao encontro da promessa de aceitar 50 mil migrantes no país.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Yannis Behrakis / Reuters

Ao rejeitar o plano do Governo, a vila - que conta com vários milionários entre uma população de 2 mil pessoas - lançou uma onda de choque por todo o país, com algumas pessoas a acusar os moradores da vila de racismo.

Os residentes têm agora de desembolsar 290 mil francos suíços como multa por recusar receber os refugiados.

"Nós não os queremos cá, é simples como isso", disse um dos moradores ao DailyMail.

"Nós trabalhamos muito durante toda a nossa vida e temos uma aldeia encantadora que não queremos estragar."

Acrescentaram ainda: "Nós não servimos para receber refugiados, eles nunca iriam adaptar-se".

Contudo, outro residente que falou ao DailyMail não tem a mesma opinião e confessou que era preciso ajudar quem mais precisasse.

Andreas Glarner, o "mayor" de Oberwil-Lieli, nega que tenha sido o racismo a motivar os votos dos residentes e diz que só não os aceitaram porque não lhes foi dito se os refugiados eram sírios ou "migrantes em busca de uma vida económica melhor".

"Sim, os refugiados sírios têm de ser ajudados, mas estão mais bem servidos se forem ajudados nos campos perto da sua casa", disse Andreas Glarner.

"O dinheiro pode ajudá-los, mas se os recebermos aqui isso vai enviar a mensagem errada."

"Outros migrantes vão arriscar as suas vidas a atravessar o oceano para vir para aqui."

  • CGTP espera milhares na 1ª manifestação nacional do ano
    1:49

    País

    A CGTP-IN conta ter "dezenas de milhares de trabalhadores" de todo o país e setores de atividade na primeira manifestação nacional do ano, marcada para esta tarde, em Lisboa, em defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores.Estão previstas centenas de autocarros e quatro comboios especiais, um de Braga e três do Porto, para transportar os manifestantes para a capital.De Coimbra saíram 13 autocarros, com cerca de 700 trabalhadores, de setores diferentes para exigir ao governo reposição de direitos perdidos.

  • A semana em revista

    Mundo

    Com a semana a chegar ao fim, a SIC Notícias apresenta-lhe, num único artigo, os destaques que marcaram a atualidade nos últimos dias. Um espaço onde pode ficar a saber, ou simplesmente recordar, os temas que marcaram a semana noticiosa.

    André de Jesus

  • Registadas mais de 500 queimadas em 12 horas

    País

    A Proteção Civil registou esta sexta-feira, no distrito de Viana do Castelo, entre as 06:00 e as 18:00, 515 queimadas, mais cerca de uma centena das contabilizadas na quinta-feira, sendo que três terão dado origem a incêndios florestais.