sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Aldeia suíça preferiu pagar 260 mil euros a receber 10 refugiados

Uma das aldeias mais abastadas da Europa preferiu pagar 290 mil francos suíços (cerca de 263 mil euros), em vez de receber 10 refugiados. Os moradores de Oberwil-Lieli disseram que votaram não no referendo para aceitar os refugiados porque "eles não iam adaptar-se ali". A notícia aparece depois do Governo da Suíça anunciar um sistema de quotas que vem ao encontro da promessa de aceitar 50 mil migrantes no país.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Yannis Behrakis / Reuters

Ao rejeitar o plano do Governo, a vila - que conta com vários milionários entre uma população de 2 mil pessoas - lançou uma onda de choque por todo o país, com algumas pessoas a acusar os moradores da vila de racismo.

Os residentes têm agora de desembolsar 290 mil francos suíços como multa por recusar receber os refugiados.

"Nós não os queremos cá, é simples como isso", disse um dos moradores ao DailyMail.

"Nós trabalhamos muito durante toda a nossa vida e temos uma aldeia encantadora que não queremos estragar."

Acrescentaram ainda: "Nós não servimos para receber refugiados, eles nunca iriam adaptar-se".

Contudo, outro residente que falou ao DailyMail não tem a mesma opinião e confessou que era preciso ajudar quem mais precisasse.

Andreas Glarner, o "mayor" de Oberwil-Lieli, nega que tenha sido o racismo a motivar os votos dos residentes e diz que só não os aceitaram porque não lhes foi dito se os refugiados eram sírios ou "migrantes em busca de uma vida económica melhor".

"Sim, os refugiados sírios têm de ser ajudados, mas estão mais bem servidos se forem ajudados nos campos perto da sua casa", disse Andreas Glarner.

"O dinheiro pode ajudá-los, mas se os recebermos aqui isso vai enviar a mensagem errada."

"Outros migrantes vão arriscar as suas vidas a atravessar o oceano para vir para aqui."

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.