sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Médicos Sem Fronteiras receberam 1% de fundos de ajuda humanitária da UE em 2015

A Comissão Europeia informou hoje que os Médicos Sem Fronteiras em 2015 apenas receberam 1% do orçamento que destinam à ajuda humanitária, reagindo à decisão da organização rejeitar os fundos europeus em protesto contra a política migratória da UE.

Reuters

O ano passado o apoio de Bruxelas aos Médicos Sem Fronteiras (MSF) foi de "cerca de 15 milhões de euros", dos 1.500 milhões destinados à área, ou seja, apenas 1% desse orçamento, disse o porta-voz Margaritis Schinas na conferência de imprensa diária da Comissão Europeia (CE).

O secretário-geral dos MSF, Jérôme Oberreit, explicou hoje que a decisão de rejeitar fundos europeus constitui um protesto contra "a resposta vergonhosa da Europa, que se focaliza mais na dissuasão do que na ajuda e na proteção" dos migrantes que chegam ao continente.

A organização não-governamental refere como exemplo o acordo entre a UE e a Turquia, considerando que as políticas europeias para as migrações visam "repelir as pessoas e o seu sofrimento para longe das costas europeias".

Schinas disse que a CE "foi informada" da decisão dos MSF, adiantando que a organização "não é parceira na execução da ajuda humanitária na Turquia, nem apresentou qualquer pedido de financiamento" neste país.

"Portanto, nenhum apoio para assistência humanitária a refugiados será afetado", disse ainda.

De acordo com os MSF, as suas atividades são financiadas em 92% por doações privadas. Em 2015, "os fundos das instituições da UE representaram 19 milhões de euros, os dos Estados membros ascenderam aos 37 milhões de euros", adiantou a ONG.

Lusa

  • Médicos Sem Fronteiras recusam fundos da UE em protesto contra políticas europeias

    Crise Migratória na Europa

    A organização Médicos Sem Fronteiras vai recusar financiamento da União Europeia e dos estados-membros em protesto contra um acordo estabelecido pela UE, que visa suster o fluxo de refugiados e migrantes. Esse acordo teve como "consequência direta" que, "nas ilhas gregas, mais de oito mil pessoas, incluindo centenas de menores que viajaram sozinhos, estão bloqueadas", vivendo em "condições terríveis, em campos sobrelotados, por vezes durante meses".

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.