sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Médicos Sem Fronteiras receberam 1% de fundos de ajuda humanitária da UE em 2015

A Comissão Europeia informou hoje que os Médicos Sem Fronteiras em 2015 apenas receberam 1% do orçamento que destinam à ajuda humanitária, reagindo à decisão da organização rejeitar os fundos europeus em protesto contra a política migratória da UE.

Reuters

O ano passado o apoio de Bruxelas aos Médicos Sem Fronteiras (MSF) foi de "cerca de 15 milhões de euros", dos 1.500 milhões destinados à área, ou seja, apenas 1% desse orçamento, disse o porta-voz Margaritis Schinas na conferência de imprensa diária da Comissão Europeia (CE).

O secretário-geral dos MSF, Jérôme Oberreit, explicou hoje que a decisão de rejeitar fundos europeus constitui um protesto contra "a resposta vergonhosa da Europa, que se focaliza mais na dissuasão do que na ajuda e na proteção" dos migrantes que chegam ao continente.

A organização não-governamental refere como exemplo o acordo entre a UE e a Turquia, considerando que as políticas europeias para as migrações visam "repelir as pessoas e o seu sofrimento para longe das costas europeias".

Schinas disse que a CE "foi informada" da decisão dos MSF, adiantando que a organização "não é parceira na execução da ajuda humanitária na Turquia, nem apresentou qualquer pedido de financiamento" neste país.

"Portanto, nenhum apoio para assistência humanitária a refugiados será afetado", disse ainda.

De acordo com os MSF, as suas atividades são financiadas em 92% por doações privadas. Em 2015, "os fundos das instituições da UE representaram 19 milhões de euros, os dos Estados membros ascenderam aos 37 milhões de euros", adiantou a ONG.

Lusa

  • Médicos Sem Fronteiras recusam fundos da UE em protesto contra políticas europeias

    Crise Migratória na Europa

    A organização Médicos Sem Fronteiras vai recusar financiamento da União Europeia e dos estados-membros em protesto contra um acordo estabelecido pela UE, que visa suster o fluxo de refugiados e migrantes. Esse acordo teve como "consequência direta" que, "nas ilhas gregas, mais de oito mil pessoas, incluindo centenas de menores que viajaram sozinhos, estão bloqueadas", vivendo em "condições terríveis, em campos sobrelotados, por vezes durante meses".