sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Médicos Sem Fronteiras recusam fundos da UE em protesto contra políticas europeias

A organização Médicos Sem Fronteiras vai recusar financiamento da União Europeia e dos estados-membros em protesto contra um acordo estabelecido pela UE, que visa suster o fluxo de refugiados e migrantes. Esse acordo teve como "consequência direta" que, "nas ilhas gregas, mais de oito mil pessoas, incluindo centenas de menores que viajaram sozinhos, estão bloqueadas", vivendo em "condições terríveis, em campos sobrelotados, por vezes durante meses".

A decisão de rejeitar fundos é um protesto contra "a resposta vergonhosa da Europa, que se focaliza mais na dissuasão do que na ajuda e na proteção" dos migrantes e refugiados que chegam à Europa, explicou Jérôme Oberreit, secretário geral dos Médicos Sem Fronteiras.

"Esta decisão tem efeito imediato e será aplicada a todos os projetos dos Médicos Sem Fronteiras em todo o mundo", comunicou.

Os Médicos Sem Fronteiras consideram que as políticas europeias para as migrações visam "repelir as pessoas e o seu sofrimento para longe das costas europeias".

Como exemplo, a organização cita o acordo entre a União Europeia e a Turquia, assinado em março, no quadro do qual este país aceitou receber todos os migrantes, incluindo os requerentes de asilo, que cheguem à costa da Grécia, mas cujas condições de acolhimento têm sido alvo de críticas internacionais.

As atividades dos Médicos Sem Fronteiras são financiadas em mais de 90% por doações privadas, mas, no ano passado, a organização humanitária recebeu 19 milhões de euros da União Europeia e outros 37 milhões dos seus Estados-membros.

Com Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Porque abanam as bancadas
    9:37