sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polícia Marítima resgata 3.125 migrantes e refugiados em nove meses de missão na Grécia

A equipa da Polícia Marítima resgatou 3.125 migrantes e refugiados, 823 dos quais bebés e crianças, em nove meses de missão na Grécia, no âmbito de uma operação da agência europeia Frontex, anunciou hoje a instituição.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

Em comunicado, a Autoridade Marítima Nacional (AMN) adianta que a Polícia Marítima (PM), que se encontra desde 01 de outubro de 2015 na ilha grega de Lesbos, integrada numa missão da agência Frontex, resgatou em segurança e transportou para terra 3.215 migrantes e refugiados do mar Egeu.

Segundo a AMN, a equipa da PM realizou, entre 01 de outubro e 30 de junho, 79 missões de busca e salvamento, prestou primeiros-socorros a 16 migrantes e recuperou do mar 16 pessoas sem vida.

Em nove meses, a PM deteve cinco facilitadores, realizou 9.600 milhas náuticas, apoiou 220 embarcações, apoiou mais de mil migrantes e refugiados e a viatura de vigilância costeira controlou mais de mil alvos.

A AMN adianta que, dos 3125 migrantes e refugiados resgatados, 823 eram bebés e crianças e 678 eram mulheres.

A missão da PM, que visa o controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas, tem assumido essencialmente um carácter de busca e salvamento e de ajuda humanitária aos migrantes e refugiados que diariamente cruzam as águas do mar Egeu, realizando a travessia entre a Turquia e a Grécia.

A AMN refere que a equipa da PM encontrou, na maior parte das vezes, "cenários de grande stress, botes e embarcações sobrelotadas, sem condições de navegabilidade e em perigo eminente de naufrágio".

As pessoas resgatadas procuravam "desesperadamente chegar à Grécia, mesmo sem quaisquer condições de segurança, muitas delas sem coletes salva-vidas, totalmente molhadas e correndo sérios riscos de entrada em hipotermia", acrescenta.

Segundo a AMN, a equipa de resgate portuguesa distribui, sempre que necessário, aos refugiados e migrantes, mantas térmicas para combater os efeitos de exposição ao frio, águas, bolachas e chocolates, sendo os casos mais graves os bebés e crianças.

A equipa da Polícia Marítima, composta por agentes da PM, um técnico para o apoio e a manutenção das embarcações e outro para a manutenção da componente elétrica da Viatura de Vigilância Costeira (VVC), está no Mar Egeu no âmbito de uma operação da Agência Europeia da Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia (Frontex).

A operação, denominada "Poseidon Sea 2015", tem "o objetivo de cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço".

A PM vai manter o seu apoio à guarda-costeira Grega até 30 de setembro.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.