sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Hungria recusa 600 refugiados no primeiro dia de aplicação de nova lei

A Hungria começou hoje a executar a polémica reforma legal que permite expulsar refugiados ou migrantes intercetados próximo da fronteira, uma medida que aplicou já a 600 pessoas.

(arquivo)

(arquivo)

Amel Emric

"Durante o dia de hoje, os agentes acompanharam até à fronteira perto de 600 pessoas, que colaboraram com as autoridades, e não se registaram incidentes", informou o capitão-geral da polícia húngara, Karoly Papp, em relação à disposição legal que entrou em vigor à meia-noite.

De acordo com a lei, as autoridades "vão acompanhar" até ao outro lado das vedações nas fronteiras do sul do país todos os refugiados que sejam intercetados numa franja de oito quilómetros, um procedimento criticado pela ONU e várias organizações não-governamentais (ONG).

Do outro lado das vedações, numa estreita franga de terreno ainda em território húngaro, os refugiados terão que aceder às zonas de registo, onde podem apresentar os pedidos de asilo.

Na segunda-feira, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) criticou este procedimento, que vai dificultar ainda mais o processo de pedido de asilo.

De acordo com o ACNUR, o governo conservador húngaro está a mandar aos refugiados a mensagem de que não há qualquer possibilidade de entrar no país, a menos que seja irregularmente.

Para o governo trata-se de um sistema mais eficaz para "diminuir o número de imigrantes que permane no país ilegalmente", disse Gyorgy Bakondi, conselheiro para os Assuntos de Segurança do governo húngaro.

Desde o outono do ano passado, quando a Hungria fechou as fronteiras com a Sérvia e a Croácia, entrar no país ilegalmente é considerado um delito punível com uma pena de até cinco anos de prisão.

Até ao mês passado, tinham entrado no país centro-europeu mais de 17 mil refugiados ou migrantes.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida