sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Hungria recusa 600 refugiados no primeiro dia de aplicação de nova lei

A Hungria começou hoje a executar a polémica reforma legal que permite expulsar refugiados ou migrantes intercetados próximo da fronteira, uma medida que aplicou já a 600 pessoas.

(arquivo)

(arquivo)

Amel Emric

"Durante o dia de hoje, os agentes acompanharam até à fronteira perto de 600 pessoas, que colaboraram com as autoridades, e não se registaram incidentes", informou o capitão-geral da polícia húngara, Karoly Papp, em relação à disposição legal que entrou em vigor à meia-noite.

De acordo com a lei, as autoridades "vão acompanhar" até ao outro lado das vedações nas fronteiras do sul do país todos os refugiados que sejam intercetados numa franja de oito quilómetros, um procedimento criticado pela ONU e várias organizações não-governamentais (ONG).

Do outro lado das vedações, numa estreita franga de terreno ainda em território húngaro, os refugiados terão que aceder às zonas de registo, onde podem apresentar os pedidos de asilo.

Na segunda-feira, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) criticou este procedimento, que vai dificultar ainda mais o processo de pedido de asilo.

De acordo com o ACNUR, o governo conservador húngaro está a mandar aos refugiados a mensagem de que não há qualquer possibilidade de entrar no país, a menos que seja irregularmente.

Para o governo trata-se de um sistema mais eficaz para "diminuir o número de imigrantes que permane no país ilegalmente", disse Gyorgy Bakondi, conselheiro para os Assuntos de Segurança do governo húngaro.

Desde o outono do ano passado, quando a Hungria fechou as fronteiras com a Sérvia e a Croácia, entrar no país ilegalmente é considerado um delito punível com uma pena de até cinco anos de prisão.

Até ao mês passado, tinham entrado no país centro-europeu mais de 17 mil refugiados ou migrantes.

Lusa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • Explosão próximo do aeroporto de Damasco

    Mundo

    A televisão do movimento xiita libanês Hezbollah, aliado do regime sírio, noticiou hoje que a explosão ocorrida esta madrugada perto do aeroporto de Damasco "foi provavelmente" resultado de um ataque israelita contra depósitos de combustível.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Os filhos do divórcio
    20:50
  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • "Esta moda bizarra de não vacinar crianças tem tido estas consequências"
    1:43

    Surto de sarampo

    Há mais um caso de sarampo registado pela Direção-Geral da Saúde, no total já são 25. Francisco George garantiu que a situação não é preocupante para as crianças em idade escolar e recomendou uma discussão parlamentar sobre a vacinação. Mais de 11 mil pessoas já assinaram uma petição pública a defender a vacinação obrigatória. 

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.