sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

UE adianta 1.400 milhões de euros para refugiados turcos

​A Comissão Europeia (CE) aprovou uma nova parcela de 1.415 milhões de euros para os refugiados sírios na Turquia, após as acusações do Presidente turco a Bruxelas sobre o incumprimento dos compromissos de financiamento.

Esta medida especial, esclareceu Bruxelas, eleva para 2.155 milhões de euros o total de fundos europeus já concedidos à Turquia para apoiar os refugiados e as comunidades de acolhimento na Turquia, no âmbito do polémico acordo União Europeia (UE)-Turquia de 18 de março e que entrou em vigor dois dias depois.

Em março, a UE comprometeu-se a conceder 3 mil milhões de euros até 2017, e outros 3 mil milhões em data posterior, em troca da colaboração de Ancara na contenção da chegada de imigrantes em situação irregular e de refugiados ao espaço comunitário, mas até agora apenas tinha desembolsado 740 milhões de euros.

O acordo entre as duas partes, em vigor desde 20 de março, prevê ainda que a UE aceite um refugiado sírio por cada migrante ou refugiado que tenha chegado ilegalmente às costas da Grécia, e que deverá ser "devolvido" à Turquia.

No entanto, o atraso na concessão da prometida contribuição financeira motivou duras críticas à UE por parte do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

A nova transferência deve ser canalizada para despesas de educação e saúde dos refugiados, estando ainda previstos 79 milhões de euros adicionais para projetos humanitários de agências da ONU, organizações internacionais e ONG.

A Turquia acolhe atualmente cerca de 2,7 milhões de refugiados do conflito sírio, com diversos projeto de apoio paralelos a serem concretizados e que serão reforçados com as futuras contribuições.

Lusa

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.