sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Brasileiros começam em Lisboa documentário sobre crise dos refugiados na Europa

Entrevista com um refugiado sírio, no Porto

facebook.com/diasporafilme

Uma equipa brasileira está a produzir um documentário sobre a crise dos refugiados na Europa, projeto que começou em Lisboa no Dia do Refugiado e pretende ser uma visão imparcial sobre o problema.

Intitulado "Diáspora, 'Todos os Sonhos do Mundo'", o filme vai acompanhar quatro famílias de refugiados ao longo de dois anos, mostrando as suas vidas e as da comunidade em que se inserem.

"Não queremos fazer um filme de apoio aos refugiados. Queremos um filme para mostrar a realidade, do ponto de vista dos que recebem e o ponto de vista deles [refugiados]", disse à Lusa o diretor de fotografia e responsável pela ligação da equipa da produtora Tempus Filmes à Europa, Fred Alves.

Sendo provenientes do Brasil, "um país neutro", os cineastas têm a possibilidade "de falar de um ponto de vista mais aberto", defendeu.

Reconhecendo que num filme sobre refugiados "a questão humanitária surge como rótulo", o diretor de fotografia sublinhou que o objetivo não é esse: "É mostrar a verdade dos factos".

"Precisamos entender, do ponto de vista histórico, os impactos que essa diáspora vai causar nos países que estão a receber. Friamente estamos a analisar isso", acrescentou

O projeto, dirigido pelo realizador Cleonildo Cruz, começou simbolicamente no Dia do Refugiado, 20 de junho, durante o qual a equipa brasileira manteve uma breve conversa com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, numa visita ao Centro de Acolhimento do Conselho Português para os Refugiados, em Loures.

Desde então, a rodagem do filme já percorreu 3.200 quilómetros, passando por Lisboa, Porto, Faro, Sevilha, Mérida, Cádis e Marrocos.

"Fomos por estrada porque muitos refugiados estão a ser apoiados por igrejas e centros de refugiados ligados ao movimento cristão, e tivemos de parar nesses centros um por um", contou Fred Alves, que diz que nesta primeira etapa a equipa já fez cerca de 40 entrevistas.

Segundo o cineasta, esta longa-metragem irá sendo construída à medida que a equipa for percorrendo um roteiro, que passa por países como Reino Unido, França, Alemanha, Turquia e termina na fronteira com a Síria ou, se for possível, dentro da Síria, para o documentário contar o interior do conflito.

O diretor referiu que o projeto está orçado em 1,4 milhões de reais (386 mil euros), considerando que se trata de "um filme relativamente barato".

Enquanto decorre o projeto, Fred Alves e a sua equipa estarão sediados em Lisboa, para poder acorrer aos acontecimentos, à medida que eles ocorram.

"Não sabemos a que horas as coisas vão acontecer. Precisamos estar na hora certa no local certo, para captar as imagens. Estamos a cobrir a história à medida que ela acontece", explicou.

Entretanto, os interessados podem ir acompanhando o processo através do Facebook, onde a equipa vai disponibilizando pequenos vídeos.

"É o primeiro filme que está a ser acompanhado passo a passo online", afirmou.

Quase 250 mil migrantes e refugiados atravessaram este ano o Mediterrâneo em direção à Europa e mais de três mil morreram no trajeto, segundo números da Organização Internacional para as Migrações.

No ano passado, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, mais de um milhão de migrantes chegaram à Europa por mar, temendo a organização que mais de 4.000 tenham morrido.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.