sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Política de asilo de Merkel volta a ser alvo de críticas

O aliado político de Angela Merkel no estado da Baviera (sul da Alemanha) distanciou-se hoje novamente da política de acolhimento de refugiados defendida pela chanceler alemã na sequência dos ataques que têm afetado aquele país.

Horst Seehofer, líder do partido-irmão da União Democrata Cristã (CDU) de Merkel na Baviera, afirmou hoje que não partilha da opinião da chanceler de que a Alemanha pode acolher os cerca de 1,1 milhões de migrantes e de requerentes de asilo que chegaram ao país em 2015.

O chefe do governo da Baviera e líder da União Social-Cristã da Baviera (CSU) disse que "mesmo com a melhor das vontades" não pode concordar com tal opção política.

"A situação é muito problemática", referiu o representante, que falava numa reunião do governo regional bávaro em Tegernsee, acrescentando que as soluções assumidas até à data são "muito inadequadas".

Salientando que não deseja iniciar um diferendo com o partido de Merkel, Horst Seehofer defendeu que é importante encarar "a realidade" de frente.

Na quinta-feira, Merkel prometeu que a vaga de atentados no país não irá afetar a sua política de asilo e rejeitou firmemente os apelos para reverter tal opção.

"[Os atacantes] querem pôr em causa o nosso sentido de comunidade, a nossa abertura e a nossa vontade de ajudar pessoas que necessitam", afirmou então a chanceler em declarações à comunicação social em Berlim.

"Rejeitamos isto firmemente", garantiu Merkel, que interrompeu as suas férias de verão a norte de Berlim para falar à imprensa na capital alemã.

A chefe do governo alemão admitiu na mesma ocasião que os recentes ataques registados no país foram "chocantes, opressivos e depressivos", mas rejeitou a ideia de que as autoridades estejam a perder o controlo.

"Eu continuo convencida de que conseguiremos -- é o nosso dever histórico e este é um desafio histórico em tempos de globalização", concluiu.

Os quatro atentados recentes na Alemanha -- um ataque com um machado, um tiroteio, um ataque à facada e um bombista suicida -- causaram 13 mortos, entre os quais três atacantes, e dezenas de feridos.

Um dos ataques ocorreu em Munique, capital do estado federado da Baviera.

Três dos quatro atacantes procuravam asilo e dois dos atentados foram reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.