sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Política de asilo de Merkel volta a ser alvo de críticas

O aliado político de Angela Merkel no estado da Baviera (sul da Alemanha) distanciou-se hoje novamente da política de acolhimento de refugiados defendida pela chanceler alemã na sequência dos ataques que têm afetado aquele país.

Horst Seehofer, líder do partido-irmão da União Democrata Cristã (CDU) de Merkel na Baviera, afirmou hoje que não partilha da opinião da chanceler de que a Alemanha pode acolher os cerca de 1,1 milhões de migrantes e de requerentes de asilo que chegaram ao país em 2015.

O chefe do governo da Baviera e líder da União Social-Cristã da Baviera (CSU) disse que "mesmo com a melhor das vontades" não pode concordar com tal opção política.

"A situação é muito problemática", referiu o representante, que falava numa reunião do governo regional bávaro em Tegernsee, acrescentando que as soluções assumidas até à data são "muito inadequadas".

Salientando que não deseja iniciar um diferendo com o partido de Merkel, Horst Seehofer defendeu que é importante encarar "a realidade" de frente.

Na quinta-feira, Merkel prometeu que a vaga de atentados no país não irá afetar a sua política de asilo e rejeitou firmemente os apelos para reverter tal opção.

"[Os atacantes] querem pôr em causa o nosso sentido de comunidade, a nossa abertura e a nossa vontade de ajudar pessoas que necessitam", afirmou então a chanceler em declarações à comunicação social em Berlim.

"Rejeitamos isto firmemente", garantiu Merkel, que interrompeu as suas férias de verão a norte de Berlim para falar à imprensa na capital alemã.

A chefe do governo alemão admitiu na mesma ocasião que os recentes ataques registados no país foram "chocantes, opressivos e depressivos", mas rejeitou a ideia de que as autoridades estejam a perder o controlo.

"Eu continuo convencida de que conseguiremos -- é o nosso dever histórico e este é um desafio histórico em tempos de globalização", concluiu.

Os quatro atentados recentes na Alemanha -- um ataque com um machado, um tiroteio, um ataque à facada e um bombista suicida -- causaram 13 mortos, entre os quais três atacantes, e dezenas de feridos.

Um dos ataques ocorreu em Munique, capital do estado federado da Baviera.

Três dos quatro atacantes procuravam asilo e dois dos atentados foram reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.