sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Presidente checo opõe-se a "qualquer acolhimento de migrantes"

Reuters

​O Presidente checo, Milos Zeman, opõe-se ao projeto do Governo de acolher, até 2017, cerca de 2.700 refugiados que atualmente se encontram em países mediterrânicos por temer ataques terroristas, anunciou o seu porta-voz.

"O Presidente opõe-se a qualquer acolhimento de migrantes em território checo. O nosso país não pode permitir-se correr o risco de ataques terroristas como aqueles que foram perpetrados em França e na Alemanha", afirmou Jiri Ovcacek.

"Dito de outra forma, ao acolher migrantes, criaríamos um ambiente propício a ataques terroristas no território da República Checa", prosseguiu Ovcacek, em conferência de imprensa transmitida em direto pela televisão pública CT 24.

A República checa deveria receber, no total, 2.691 refugiados até 2017, segundo o Governo tripartido de centro-esquerda do primeiro-ministro social-democrata, Bohuslav Sobotka.

Numa primeira fase, o executivo comprometeu-se voluntariamente a acolher 1.100 refugiados provenientes de Itália e da Grécia, no âmbito do programa de relocalização. Esse número foi posteriormente revisto em alta, passando para 2.691 pessoas.

O afluxo de migrantes à Europa é "absolutamente incontrolável e descontrolado", afirmou Ovcacek, em resposta à pergunta de uma jornalista sobre se o Presidente estava disposto a receber aqueles refugiados que fugiram à guerra e já se encontram na Europa.

"É preciso admitir, e vemo-lo também na Alemanha, que não somos capazes de distinguir entre os migrantes económicos e os refugiados [que fogem de uma situação] de guerra", disse o porta-voz.

Conhecido pela sua hostilidade à imigração, Milos Zeman tinha já criticado no domingo a política da mão estendida aos refugiados preconizada pela chanceler alemã, Angela Merkel, chegando mesmo a classificá-la como "destituída de sentido".

"Penso que a chanceler deveria mudar de opinião. Deveria reconhecer que a 'Wilkommenskultur' ('cultura de boas-vindas') se revelou destituída de sentido e que a Alemanha não é capaz de absorver uma tal quantidade de refugiados, sobretudo havendo 'jihadistas' entre eles", disse o chefe de Estado checo.

Lusa

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC