sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Grécia tem pelo menos 41 mil refugiados e migrantes que procuram asilo

O ministro da Migração grego indicou esta terça-feira que a Grécia tem pelo menos 41.000 refugiados e migrantes que procuram asilo, a maioria dos quais são sírios que reúnem os requisitos para serem relocalizados dentro da União Europeia.

Yiannis Mouzalas disse em conferência de imprensa que os serviços gregos e das Nações Unidas registaram 54.000 refugiados e migrantes em território da Grécia entre junho e o fim de julho.

Mais de 41.000 deles, no continente, expressaram interesse em obter asilo, ou apresentaram pedidos formais.

Outros 2.000 concordaram em ser deportados para os países de origem.

Ao mesmo tempo, há mais 11.000 pessoas a serem registadas nas ilhas gregas, depois de terem ali chegado vindos da vizinha Turquia.

Mouzalas explicou que a operação foi batizada como "começar a dominar o caos" que tomou conta das autoridades gregas depois de uma série de países do leste europeu e dos Balcãs ter fechado as suas fronteiras aos migrantes a partir de fevereiro.

Antes do encerramento e de um acordo entre a União Europeia e a Turquia destinado a deter o afluxo de migrantes ao território dos 28 ter entrado em vigor, em março, mais de um milhão de pessoas passaram pela Grécia em 2015, sobretudo sírios em fuga à cruel guerra civil no seu país.

O ministro da Migração grego admitiu que há mais "cerca de 4.000" pessoas que estão a contornar o processo de registo, atravessando a fronteira com a ajuda de traficantes.

Mas Mouzalas negou relatos segundo os quais está a ser permitido a centenas de pessoas esgueirarem-se pela fronteira para a Macedónia e a Bulgária.

"Isso é mentira. Se houvesse 700 por dia a ir-se embora [como se diz], já não teríamos refugiados [na Grécia]", declarou.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.