sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Cerca de 2.300 migrantes socorridos no Mediterrâneo ao largo da Líbia

Cerca de 2.300 migrantes a bordo de 18 embarcações foram este sábado socorridos no decurso da rota em direção a Itália, anunciou a guarda costeira italiana, que coordena as operações nesta zona do Mediterrâneo.

Um navio espanhol envolvido na operação naval europeia Sophia, que tenta impedir o tráfico de pessoas e reprimir os traficantes, um navio militar irlandês e diversas embarcações humanitárias participaram nas operações de socorro iniciadas no início da manhã.

Os migrantes, em que se incluíam mulheres e três crianças, partiram a bordo de 17 barcos pneumáticos e de uma embarcação de pesca.

A partida dos migrantes das costas da Líbia está a ser efetuada de forma crescente por vagas, com uma sucessão de dias calmos e numerosas saídas, em geral determinadas pelas condições do mar e a direção do vento.

No final de agosto, a Itália registou a entrada de 14.000 pessoas em menos de uma semana, na sua maioria originários da África subsaariana.

Recentes estatísticas do Ministério do Interior italiano indicam que o país viu chegar às suas costas 124.500 pessoas desde o início de 2016, num total comparável aos 122.000 registados no mesmo período de 2015.

O crescente afluxo de refugiados, a par dos esforços de identificação e do encerramento das fronteiras a norte, forçou a Itália a alargar a sua rede de estruturas de acolhimento, com 60.000 pessoas albergadas no final de 2014, 103.000 no final de 2015 e 155.000 atualmente.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão