sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polícia Marítima portuguesa resgatou 54 imigrantes e refugiados em bote no mar Egeu

Uma equipa da Polícia Marítima (PM) portuguesa, que está na ilha grega de Lesbos, integrada na missão da agência Frontex--Poseidon Sea 2016, resgatou, no sábado, 54 imigrantes e refugiados de um bote no mar Egeu.

O resgate ocorreu depois de a equipa ter recebido informação da Viatura de Vigilância Costeira (VVC) da PM, também integrada na missão, de um bote que estava a dirigir-se para a Grécia.

"A equipa da PM deslocou-se imediatamente para junto do bote e decidiu resgatar todas as pessoas para o interior da embarcação 'Tejo'. Estas estavam muito assustadas e nervosas", relata a PM, que, no total, resgatou 54 pessoas, nesta operação: quatro bebés e crianças, 12 mulheres e 38 homens.

O bote foi também rebocado pela embarcação Portuguesa Tejo, refere a PM, adiantando que, à chegada ao porto de Skala Sikaminea, onde todos desembarcaram em segurança, já se encontravam elementos da guarda-costeira grega, da agência FRONTEX e de Organizações Não-Governamentais, que ajudaram no desembarque e no controlo de refugiados/imigrantes.

"Já em terra conseguiu apurar-se que uma das mulheres era de nacionalidade espanhola, estava grávida de três meses, vivia há cinco anos na Turquia e, não tendo outra forma de regressar à Europa, decidiu realizar a travessia do mar Egeu num bote sobrelotado", revela a PM em comunicado.

Desde que a 01 de outubro de 2015, a Polícia Marítima portuguesa resgatou, em segurança, e transportou para terra um total de 3.618 refugiados e imigrantes, que corriam risco de vida, dos quais 881 bebés e crianças e 783 mulheres.

A PM deteve ainda cinco facilitadores.

A equipa é composta por 11 agentes da PM, um Técnico para o apoio e a manutenção das embarcações e um Técnico para a manutenção da componente elétrica e eletrónica da VVC.

A PM vai cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço até 30 de setembro próximo.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.