sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Boris Johnson defende que barcos com migrantes sejam enviados de volta à Líbia

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, defendeu esta quinta-feira que as embarcações com migrantes que chegam a Itália sejam enviadas de volta à Líbia, como medida "dissuasora" para afastar daquele país o problema da imigração.

"No Reino Unido, estamos determinados a ajudar a Itália. Reconhecemos que é um problema europeu", declarou Johnson numa conferência de imprensa conjunta com o homólogo italiano, Paolo Gentiloni, em Florença.

O MNE conservador britânico vincou que os navios britânicos HMS Diamond e HMS Enterprise fazem parte da força militar especial da União Europeia sediada em Roma e batizada como 'Operação Sophia', lançada em 2015 com o objetivo de neutralizar os circuitos de tráfico de refugiados no Mediterrâneo.

Johnson disse que a Operação Sophia foi concebida "para ajudar a enviar para trás alguns desses barcos".

"E, pessoalmente, penso que eles deveriam ser obrigados a voltar para trás o mais próximo da costa possível, para que não alcancem o território italiano e isso tenha um efeito mais dissuasor para outros barcos que se dirijam para Itália a partir do norte de África", sustentou.

"Creio estar certo ao dizer que enviámos de volta 200.000 migrantes -- perdão, salvámos -- salvámos 200.000 migrantes, por isso, penso realmente que é a abordagem correta", insistiu Boris Johnson, sem especificar a que migrantes se referia.

O HMS Enterprise participou hoje numa operação de salvamento de 750 migrantes ao largo da Líbia, indicou a guarda costeira italiana.

A Itália ocupa a linha da frente nas aspirações dos migrantes que buscam uma vida melhor na Europa, tendo desde 2014 chegado à sua costa 450.000 pessoas.

De acordo com o ministério do Interior italiano, quase 128.400 migrantes chegaram via Mediterrâneo desde o início deste ano -- um aumento de 5% em relação ao mesmo período do ano passado.

Muitos embarcam em embarcações precárias, improvisadas e sobrelotadas na esperança de alcançar a ilha italiana de Lampedusa, situada a cerca de 300 quilómetros de distância.

O enviado da ONU, Martin Kobler, disse numa entrevista hoje publicada que cerca de 235.000 pessoas estão dispostas a fazer a perigosa travessia entre a Líbia e Itália.

"Temos nas nossas listas 235.000 migrantes que só estão à espera de uma oportunidade para partirem em direção a Itália, e fá-lo-ão mesmo", assegurou Kobler ao diário italiano La Stampa.

Os navios da 'Operação Sophia' só podem abordar as embarcações dos traficantes de seres humanos se elas entrarem em águas internacionais, o que nunca fazem, e muitas vezes limitam-se a proceder a operações de resgate de migrantes que estão a tentar chegar à costa italiana.

A força especial da UE não pode entrar em águas territoriais da Líbia sem um pedido formal ao Governo de unidade nacional, apoiado pela ONU, que está a tentar ampliar a sua vacilante autoridade de Tripoli ao resto do país.

O MNE italiano reiterou que a crise dos migrantes é um problema para a Europa no seu todo, e não só para Itália, e será debatido na cimeira europeia de sexta-feira em Bratislava.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.