sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Quase 4 milhões de crianças refugiadas sem acesso à educação

© Reuters

Quase quatro milhões de crianças que se viram obrigadas a abandonar as suas casas e a sobreviver em países terceiros não têm acesso à educação, denunciou esta quinta-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A agência da ONU elaborou um relatório sobre assistência a centros de educação primária ou secundário e revelou que 3,7 milhões dos seis milhões de crianças que se encontram sob a sua alçada não têm acesso a nenhum centro.

Em concreto, 1,75 milhões de crianças refugiadas não frequentam a escola primária e 1,95 milhões de adolescentes não acedem ao ensino secundário.

Segundo o estudo, a probabilidade de os refugiados não frequentarem a escola é cinco vezes mais elevada do que a média mundial de crianças sem acesso à educação.

"A educação dos refugiados está abandonada, quando constitui uma das poucas oportunidades de transformar e construir a geração futura para que possa mudar o destino de dezenas de milhares de deslocados à força que existem no mundo", disse o alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi.

Comparando os dados do ACNUR com os da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) relativos às matrículas escolares, percebe-se que apenas 50% das crianças refugiadas vão à escola primária, quando a média mundial é de 90%.

Quanto mais crescidos, maior o fosso: 22% dos adolescentes refugiados frequentam a escola secundária contra a média mundial de 84%; e só 1% vai à universidade, comparativamente aos 34% a nível mundial.

O ACNUR destaca que há cada vez mais refugiados que são menores de idade, alertando que a tendência é de crescimento.

A agência da ONU recorda que os refugiados vivem, com muito frequência, em lugares onde os governos já têm problemas para poder oferecer educação às suas próprias crianças, pelo que a logística e os recursos para os refugiados implica esforços adicionais.

Mais de metade das crianças refugiadas que não vão à escola encontra-se em sete países: Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Quénia, Líbano, Paquistão e Turquia.

O relatório do ACNUR refere ainda o exemplo da Síria, onde 94% das crianças ia à escola em 2009, taxa que baixou para 60% no corrente ano.

Atualmente, há mais de dois milhões de crianças na Síria que não frequentam a escola.

Nos países limítrofes à Síria, sobrevivem 4,8 milhões de sírios, mais de um terço dos quais (35%) crianças.

Na Turquia, apenas 39% dos refugiados vai à escola (primária ou secundária), 40% no Líbano e 70% na Jordânia. Isso significa que quase 900 mil crianças sírias não têm acesso ao ensino.

Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.