sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Quase 4 milhões de crianças refugiadas sem acesso à educação

© Reuters

Quase quatro milhões de crianças que se viram obrigadas a abandonar as suas casas e a sobreviver em países terceiros não têm acesso à educação, denunciou esta quinta-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A agência da ONU elaborou um relatório sobre assistência a centros de educação primária ou secundário e revelou que 3,7 milhões dos seis milhões de crianças que se encontram sob a sua alçada não têm acesso a nenhum centro.

Em concreto, 1,75 milhões de crianças refugiadas não frequentam a escola primária e 1,95 milhões de adolescentes não acedem ao ensino secundário.

Segundo o estudo, a probabilidade de os refugiados não frequentarem a escola é cinco vezes mais elevada do que a média mundial de crianças sem acesso à educação.

"A educação dos refugiados está abandonada, quando constitui uma das poucas oportunidades de transformar e construir a geração futura para que possa mudar o destino de dezenas de milhares de deslocados à força que existem no mundo", disse o alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi.

Comparando os dados do ACNUR com os da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) relativos às matrículas escolares, percebe-se que apenas 50% das crianças refugiadas vão à escola primária, quando a média mundial é de 90%.

Quanto mais crescidos, maior o fosso: 22% dos adolescentes refugiados frequentam a escola secundária contra a média mundial de 84%; e só 1% vai à universidade, comparativamente aos 34% a nível mundial.

O ACNUR destaca que há cada vez mais refugiados que são menores de idade, alertando que a tendência é de crescimento.

A agência da ONU recorda que os refugiados vivem, com muito frequência, em lugares onde os governos já têm problemas para poder oferecer educação às suas próprias crianças, pelo que a logística e os recursos para os refugiados implica esforços adicionais.

Mais de metade das crianças refugiadas que não vão à escola encontra-se em sete países: Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Quénia, Líbano, Paquistão e Turquia.

O relatório do ACNUR refere ainda o exemplo da Síria, onde 94% das crianças ia à escola em 2009, taxa que baixou para 60% no corrente ano.

Atualmente, há mais de dois milhões de crianças na Síria que não frequentam a escola.

Nos países limítrofes à Síria, sobrevivem 4,8 milhões de sírios, mais de um terço dos quais (35%) crianças.

Na Turquia, apenas 39% dos refugiados vai à escola (primária ou secundária), 40% no Líbano e 70% na Jordânia. Isso significa que quase 900 mil crianças sírias não têm acesso ao ensino.

Lusa

  • Tudo isto circula na internet. Nada disto é verdade
    3:12
  • Peso dos salários na economia diminuiu
    2:34

    Economia

    Portugal é dos países onde o peso dos salários na economia mais diminuiu. Ou seja, os salários portugueses foram dos mais encolheram com a crise. A conclusão é da Organização Internacional do Trabalho que sublinha as implicações negativas ao nível social e económico.

  • Presidente do Montepio tranquiliza clientes do banco
    1:58

    Economia

    O presidente do Montepio garante que os clientes do banco podem estar seguros e reafirma que a instituição não tem qualquer exposição à Associação Mutualista. No programa da SIC Notícias Negócios da Semana, José Félix Morgado assumiu que é preciso separar ainda mais as duas instituições.

  • Inaugurado Ikea de Loulé
    3:51

    Economia

    Centenas de pessoas aguardavam à porta do Ikea de Loulé para a inauguração da nova loja no Algarve, uma semana depois do acidente que matou uma trabalhadora. A cerimónia decorreu de forma sóbria, ainda que com alguma pompa e circunstância.

  • Descoberta nova espécie de tiranossauro

    Mundo

    Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas, segundo um artigo científico hoje publicado pela revista Nature.