sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Educação de refugiados é "questão de segurança global"

O candidato a secretário-geral das Nações Unidas António Guterres defendeu esta segunda-feira em Nova Iorque, num evento à margem da Cimeira dos Refugiados e Migrantes, que a educação dos jovens deslocados é "uma questão de segurança global".

"A educação é um instrumento absolutamente crucial para cumprir as aspirações das pessoas, para aumentar as possibilidades de reconstrução dos seus países e, ao mesmo tempo, uma questão de segurança global", disse o ex-primeiro-ministro português e ex-alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

Líderes dos 193 Estados-membros da ONU aprovaram hoje a Declaração de Nova Iorque, que cria condições para um melhor tratamento dos refugiados e migrantes.

O candidato a secretário-geral da ONU previu "enormes dificuldades" para aplicar as resoluções da declaração, mas salientou a sua importância.

"Não nos podemos dar ao luxo de ter pessoas que terminam o ensino secundário e não têm oportunidade de ter ensino superior ou trabalho. Alguém dizia numa reunião da ONU, há uns meses, que mentes vazias são o recreio do diabo", disse António Guterres num evento copatrocinado por um conjunto de entidades, designadamente por Portugal, Qatar e Grécia, relativo à educação superior em situações de conflito ou de desastres naturais.

O candidato a secretário-geral da ONU afirmou que "a frustração de largo número de jovens que não encontram hipótese de prosseguir os seus estudos ou encontrar um trabalho é um excelente elemento para aqueles que hoje constroem uma rede global de terrorismo."

Questionado pela moderadora sobre como se pode planear situações de educação em crises que são muitas vezes imprevisíveis, Guterres referiu-se à natureza das crises humanitárias que conheceu quando liderou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

"As situações são imprevisíveis, mas uma coisa podemos prever: as crises vão durar e a recuperação será lenta", disse, apontando os exemplos da Síria, Afeganistão, Somália e República Democrática do Congo.

"Não ter educação, desde o princípio, como uma prioridade, e não incluir a educação superior nessa abordagem, é um suicídio", concluiu Guterres, referindo-se à "imensa frustração de jovens que permanecem nos campos de refugiados por anos e anos e anos e não têm nenhuma hipótese de estudar, trabalhar ou encontrar outra forma de se integrar na sociedade."

Na mesma sessão, o ex-presidente português Jorge Sampaio propôs a criação de um mecanismo de resposta rápida para o ensino superior em situações de emergência.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.