sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Apagado incêndio em campo de migrantes na Grécia

Um incêncio que esta segunda-feira à noite deflagrou no campo de migrantes de Moria, na ilha grega de Lesbos, foi apagado pelos bombeiros, mas cerca de quatro mil pessoas fugiram do campo, indicaram fontes policiais às agências Efe e AFP.

"Não sabemos ainda se há feridos, há migrantes fora do acampamento que estão agora a fazer um esforço para voltar. Cerca de 500 já voltaram", disse à Efe um porta-voz da polícia local, que não confirmou, contudo, se o fogo foi intencional, como algumas fontes indicam.

Cerca de 150 menores instalados no campo foram retirados das instalações e transportados para um jardim infantil na ilha, indicou outra fonte policial.

Há atualmente na Grécia mais de 60.000 refugiados e migrantes, a maioria dos quais quer viajar para a Alemanha e outros países do norte da União Europeia, mas não consegue fazê-lo, depois de vários países balcânicos e do leste europeu terem encerrado as suas fronteiras, no início deste ano.

Os grupos de defesa dos direitos humanos têm repetidamente criticado as condições dos campos de migrantes na Grécia, denunciando a sobrelotação e a falta de condições sanitárias.

A situação é particularmente aguda em Lesbos e outras ilhas do leste do mar Egeu perto da Turquia, onde a maioria dos migrantes chega e fica retida para registo.

De acordo com dados do Governo grego, há mais de 13.000 pessoas em cinco ilhas, em instalações construídas para albergar menos de 8.000.

A existência de distúrbios nos campos das ilhas é comum.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01